Levantamento epidemiológico da dengue nos municípios que integram a Regional de Saúde São Patrício II / Dengue epidemiological survey in the counties that comprise the São Patrício II Health Region

Authors

  • Eurislaine Laila de Lima Silva Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Elias Emanuel Silva Mota
  • Agnes Raquel Camisão
  • Laís Cardoso do Nascimento
  • Lilhian Alves de Araújo
  • Laysla Laiane da Silva
  • Camila Cardoso

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-720

Keywords:

Dengue, Aedes, Incidência, Epidemiologia, Sazonalidade.

Abstract

Objetivo: Realizar uma síntese epidemiológica de incidência da dengue no período de 2007 a 2017 nos municípios que integram a Regional de Saúde São Patrício II. Métodos: Foi realizado um estudo de análise descritiva, com natureza quantitativa de séries temporais da ocorrência e distribuição dos casos de dengue, utilizando as seguintes variáveis: município de residência do paciente, faixa etária, gênero, casos notificados e confirmados, e períodos de anos e meses. A pesquisa foi conduzida com auxílio das plataformas do Sistema Único de Saúde e Sistema de Informações de Notificações de Agravos. Para caracterização das variáveis utilizou-se a estatística descritiva, o teste estatístico não-paramétrico Kruskal-Wallis com nível de significância ?= 1%, e cálculos de incidência dos casos de dengue para os municípios e séries temporais. Resultados: Foram notificados 19.650 e confirmados 18.748 casos de dengue, os anos de 2013 e 2015 se destacaram em números de casos. No que se refere às maiores incidências anual, o período de 2013, 2015 e 2016 apresentaram unanimidades entre os municípios. Há diferença significativa na incidência dos casos de dengue entre os grupos I (janeiro a junho) e II (julho a dezembro) em quase todos os anos analisados. Não houve diferença significativa na incidência de casos de dengue entre gênero. As faixas etárias com maior número de casos de dengue foram de 20 a 39 anos e 40 a 59 anos. Conclusão: A sazonalidade influencia na incidência da dengue. A compreensão epidemiológica da patologia permitirá refinamentos nas ações e elaboração de programas de controle do combate ao vetor.

References

Barbosa IR, Silva LP. Influência dos determinantes sociais e ambientais na distribuição espacial da dengue no município de Natal-RN. Revista de Ciência Plural 2015; 1(3):62-75.

Paixão RS, Oliveira MV, Souza CL. Dengue: Aspectos epidemiológicos de um surto ocorrido em Barra da Estiva, Bahia, Brasil, em 2014. Revista Baiana de Saúde Pública. 2017;41(4):981-993. https://doi.org/10.22278/2318-2660

Xavier DR, Magalhães MAFM, Gracie R, Reis IC, Matos VP, Barcellos C. Difusão espaço-tempo do dengue no município do Rio de Janeiro, Brasil, no período de 2000-2013. Caderno de Saúde Pública. 2017;33(2):1-13. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00186615

Braga IA, Valle D. Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiologia Serviço Saúde 2007; 16(2):113-118. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000200006

Iocfiocruz. Dengue Vírus e Vetor. 2018. [acessado em: 06 nov. 2018]. Disponível em: http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/longatraje.html.

Roque ACM, Santos PFBB, Medeiros ER. Perfil epidemiológico da dengue no município de Natal e região metropolitana no período de 2007 a 2012. Revista Ciência Plural. 2016;(1)3:51-61.

Teixeira TRA, Medronho RA. Indicadores sociodemográficos e a epidemia de dengue em 2002 no estado do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2008;24(9):2160-2170. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000900022

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. – 2. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. [acessado em: 10 em 10/10/2019]. Disponível: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. [acessado em 10/10/2019]. Disponível: https://doi.org/cidades.ibge.gov.br.

Ramalho WN, Skaba DA, Barcellos C, Pina MF, Magalhães MAFM. Sistemas de Informações Geográficas em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. [acessado em 10/10/2019]. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/serie_geoproc_vol_1.pdf

Câmara FP, Gomes AF, Santos GT, Câmara DCP. Clima e epidemias de dengue no Estado do Rio de Janeiro. Revista de Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 2009; 42(2):137-140. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000200008

Bohm AW, Costa CS, Neves GR, Flores TR, Nunes BP. Tendência da incidência de dengue no Brasil, 2002-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2016;25(4):725-733. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000400006

Costa IMP, Calado DC. Incidência dos casos de dengue (2007-2013) e distribuição sazonal de culicídeos (2012-2013) em Barreiras, Bahia. Epidemiologia e Seviços de Saúde. 2016;(25)4:735-744. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000400007

Viana VD, Ignotti E. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2013;(16)2:240-256. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200002

Santos GS, Queiroz IS, Goldfarb M, Figueredo AMF. Incidência de casos de dengue na cidade de Sumé, Paraíba, Brasil, nos anos de 2009 a 2014. RSC online. 2016;5(2): 05-17.

Miranda JI, Olegário JGP, Carneiro LNS, Abdalla GK, Viana DA. Aspectos epidemiológicos da dengue no município de Sacramento-MG entre os anos de 2007 a 2015. Jornal de Ciências Biomédicas & Saúde. 2017;(3)2:82-87.

Baracho RCM, Filho AI, Gonçalves A, Nunes STS, Borges PF. A influência climática na proliferação da dengue na cidade de Areia, Paraíba. Gaia Scientia. 2014;(8)1:65-73. http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/index

Nascimento FH, Pedroso LB. Análise e espacialização da incidência de dengue na microrregião geográfica de Anápolis-GO, período de 2010-2016. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2017;(13)25:107–120. http://dx.doi.org/10.14393/Hygeia132508

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância em saúde no Brasil 2003|2019: da criação da Secretaria de Vigilância em Saúde aos dias atuais. Boletim Epidemiológico [Internet]. 2019. [acessado em: 27/11/2019]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação. 2019. [acessado em 27 de novembro de 2019]. Disponível em: http://portalweb04.saude.gov.br/sinan_net/default.asp

Ferreira AC, Neto CF, Mondini A. Dengue em Araraquara, SP: epidemiologia, clima e infestação por Aedes aegypti. Revista de Saúde Pública. 2018;52(18):1-10. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000414

Santos LKFdos, Pessôa VML, Santos TSdos, Bragagnollo GR, Machado GP, Munõz SI, et al. (2019). Perfil epidemiológico da dengue em um estado do nordeste brasileiro, 2011 a 2015. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 2019;11(10):1-10. https://doi.org/10.25248/reas.e423

Silva JDAS. Perfil epidemiológico e demográfico dos casos de dengue em Goiânia – Goiás, numa série histórica de 2001 a 2009 [Dissertação de Mestrado]. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC); 2012.

Rodrigues MB, Freire HB, Corrêa PR, Mendonça ML, Silva MR, França EB. É possível identificar a dengue em crianças a partir do critério de caso suspeito preconizado pelo Ministério da Saúde? Jornal de Pediatria. 2005;(81)3:209-215. http://dx.doi.org/10.2223/1341

Souza KR, Santos MLR, Guimarães ICS, Ribeiro GS, Silva LK. Saberes e práticas sobre controle do Aedes aegypti por diferentes sujeitos sociais na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública (online). 2018;(34)5:e00078017. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00078017

Published

2020-09-01

How to Cite

Silva, E. L. de L., Mota, E. E. S., Camisão, A. R., Nascimento, L. C. do, de Araújo, L. A., da Silva, L. L., & Cardoso, C. (2020). Levantamento epidemiológico da dengue nos municípios que integram a Regional de Saúde São Patrício II / Dengue epidemiological survey in the counties that comprise the São Patrício II Health Region. Brazilian Journal of Development, 6(8), 63940–63958. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-720

Issue

Section

Original Papers