Epidemiologia da intoxicação exógena no Brasil entre 2007 e 2017 / Epidemiology of exogenous intoxication in Brazil between 2007 and 2017

Authors

  • André Luiz Silva Alvim
  • Rafaela Oliveira França
  • Bianca Bacelar de Assis
  • Marcus Luciano de Oliveira Tavares

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-718

Keywords:

Envenenamento, Epidemiologia, Notificação Compulsória, Suicídio.

Abstract

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico das notificações compulsórias por intoxicação exógena no Brasil entre 2007 e 2017. Métodos: Estudo descritivo de série temporal que utilizou dados secundários do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde do Brasil. O corte temporal foi feito a partir de 2007 por ser o ano em que foi introduzida, no SINAN, o componente “intoxicação exógena”. Foram utilizadas estatísticas descritivas. Resultados: Foram notificados 833.282 casos de intoxicação exógena em indivíduos do sexo feminino (54,25%) e naqueles com idade dos 15 aos 39 anos (54,47%). Os agravos foram registrados, principalmente, na zona urbana (86,3%) da região Sudeste (47,65%). O principal agente tóxico estava relacionado ao uso de medicamentos (n=336.143) e a tentativa de suicídio (n=292.930) como principal circunstância. Do total, 76,39% evoluiu para cura sem sequela. Conclusão: Os casos de intoxicação exógena tiveram maior frequência entre as pessoas do sexo feminino, dos 15 aos 39 anos, residentes na zona urbana da região sudeste e que utilizaram medicamentos como tentativa de suicídio. No entanto, esses resultados devem ser analisados com cautela devido à subnotificação de casos, além do preenchimento incorreto das fichas de notificação.

References

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2017. 705 p.

Santos AS, Legay LF, Lovisi GM, Santos JFC, Lima LA. Suicídios e tentativas de suicídios por intoxicação exógena no Rio de Janeiro: análise dos dados dos sistemas oficiais de informação em saúde, 2006-2008. Rev bras Epidemiol. 2013;16(2):376-87.

Filho PA, Santiago E. Boletim epidemiológico intoxicação exógena nº 1/2018. Secretaria de estado de saúde do Rio de Janeiro. Subsecretaria de vigilância em saúde, Rio de Janeiro (RJ), 2018. 45 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Brasília (DF), 2017;48(30).

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de consolidação nº 4, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre os sistemas e os subsistemas do Sistema Único de Saúde. Diário oficial da União, Brasília (DF), 2017, set 28.

Magalhães AFA, Caldas ED. Underreportingof fatal poisonings in Brazil – A descriptive study using data from four information systems. Forensic Science International. 2018;287:136–41.

Rangel NL, Francelino EV. Caracterização do Perfil das Intoxicações Medicamentosas no Brasil, durante 2013 a 2016. Rev Mult Psic. 2018;12(42):121-35.

Kaya E, Yilmaz A, Saritas A, Colakoglu S, Baltaci D, Kandis H et al. Acute intoxication cases admitted to the emergency department of a university hospital. World J Emerg Med. 2015;6(1):54–9.

Kupferschmid S, Gysin-Maillart A, Bühler SK, Steffen T, Michel K, Schimmelmann BG et al. Gender differences in methods of suicide attempts and prevalence of previous suicide attempts. Z Kinder Jugendpsychiatr Psychother. 2013;41(6):401-5.

Mota DM, Melo JRR, Freitas DRC, Machado M. Perfil da mortalidade por intoxicação com medicamentos no Brasil, 1996-2005: retrato de uma década. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(1):61-70.

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Dados de intoxicação: 2019 [Internet]. Disponível em: https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais

Rockett IRH, Caine ED, Connery HS, D’Onofrio G, Gunnell DJ, Miller TR et al. Discerning suicide in drug intoxication deaths: Paucity and primacy of suicide notes and psychiatric history. PLoS One. 2018;13(1):e0190200.

Shahid A. Suicide, depression, and CYP2D6: How are they linked? Current Psychiatry. 2013;12(5):16-9.

Teti GL, Rebok F, Rojas SM, Grendas L, Daray FM. Systematic review of risk factors for suicide and suicide attempt among psychiatric patients in Latin America and Caribbean. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(2):124–33.

Dantas ESO. Suicídio de Mulheres em um Contexto Psicossocial [dissertação]. Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva; 2018. 78 p.

Santos RR, Neto OPA, Cunha CM. Perfil de vítimas de intoxicações exógenas agudas e assistência de enfermagem. Rev Enferm Atenção Saúde. 2015;4(2):45-55.

Veras JLA, Katz CRT. Suicide attempts by exogenous intoxication among female adolescents treated at a reference hospital in the city of Recife-PE, Brazil. Rev bras enferm. 2011;64(5):833-38.

Costa CMFN, Silveira MR, Guerra Junior AA, Costa EAII, Acurcio FAII, Guibu IAIII, et al. Utilização de medicamento pelos usuários da atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica. 2017;51 Supl 2:18s.

Published

2020-09-01

How to Cite

Alvim, A. L. S., França, R. O., Assis, B. B. de, & Tavares, M. L. de O. (2020). Epidemiologia da intoxicação exógena no Brasil entre 2007 e 2017 / Epidemiology of exogenous intoxication in Brazil between 2007 and 2017. Brazilian Journal of Development, 6(8), 63915–63925. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-718

Issue

Section

Original Papers