Projeto e Gestão Otimizada de Sistemas de Rega. Caso de Estudo – RAM / Design and Optimized Management of Irrigation Systems. Case Study – RAM

Authors

  • Eduardo Luís Nascimento Vasconcelos
  • Sérgio António Neves Lousada
  • André Diogo Sousa Moura
  • Leonardo Bazilio Gonçalves

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-648

Keywords:

agricultura, análise hidráulica, rede de drenagem pluvial, sistemas de rega, volume de armazenamento.

Abstract

Devido ao aumento das temperaturas no planeta e com a consequente redução de água própria para a agricultura, urge a preocupação do estudo de sistemas de rega, desde a concessão de projeto à gestão otimizada do mesmo. Pretende-se com este trabalho controlar as perdas de água ao longo de todo o sistema, procurando sempre ter em atenção a viabilidade das soluções propostas e existentes.

A otimização do sistema de rega em estudo resulta da análise comparativa ao consumo hídrico entre a policultura e a monocultura, assim como, da redução do consumo associado à predisposição deste sistema – i.e. área; caudal; perda de carga; potência da eletrobomba; capacidade hidráulica.

Contextualmente, o propósito do presente trabalho traduziu-se na proposta de um novo sistema mais eficiente ao nível dos consumos energético e hídrico. A implementação de medidas ao nível do dimensionamento e tipologia do sistema utilizado, revelam-se fulcrais para o incremento da respetiva eficiência. 

References

AGROGES (2013), Avaliação Contínua do programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma da Madeira. Relatório Anual 2012 – Versão Final. SRA, Funchal, 85 p.

Andrade, L. (2008), Physalis ou uchuva: Fruta da Colômbia chega ao Brasil. Revista Rural, São Paulo, v. 38, p. 11-12.

Azevedo, J. C. e Gonçalves, A. (2010). Manual de boas práticas em espaços verdes. Bragança: Câmara Municipal.

Barros, G. M. F. (2015), Projecto e Gestão Optimizada de Sistemas de Rega em Espaços Verdes. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Paisagista na Universidade de Lisboa. Lisboa, 2015.

Chaves, A. C. (2006), Propagação e avaliação fenológica de Physalis sp. na região de Pelotas, RS. Tese para obtenção do grau de Doutor pela Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Christiansen, J.E. (1942), Irrigation by Sprinkling. University of California Agricultural Experiment Station Bulletin n. 670, 124 p.

Correia, A. V. e Santos, J. L. (2015), Agricultura e Florestas: impactos e vulnerabilidades às alterações climáticas. 2015, 48 p.

Cudell, G. (2000). Manual de Instalação de Rega. Lisboa: Gustavo Cudell, LDA.

Doorenbos, J. e Pruitt, J. O. (1977), Guidelines for predicting crop water requeriments. Rome: FAO. 179 p. (FAO Irrigation and Drainagem, 24).

Duarte, H. S. S. e Zambolim, L. e Rodrigues, F. A. (2007), Controle da Requeima em tomateiro industrial com fungicida e silicato de potássio. Fitopatologia Brasileira, Lavras, v. 32, n. 3, p. 25-260.

EMBRAPA (2003). Tomate industrial-Sistema de Produção. Versão eletrônica. Jan, 2003. <https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustr ial/mudas.htm > Acesso em: 16 jul. de 2019.

Fernández, M. G. C. (2005), El cultivo de Proteas em Canarias. Sección de Floricultura. Granja Agrícola Experimental. 4 p.

Ferreira A. (1995), O clima de Portugal. Açores e Madeira. INMG, Fasc VIII. 64 p.

Fischer, G. e Almanza, P. J. (1993), La Uchuva (Physalis peruviana L.) uma alternativa promissória para las zonas altas de Colombia. Agricultura Tropical, Bogotá, v. 30, n. 1, p. 79-87, 1993.

Fischer, G. e Miranda, D. e Piedrahita, W. e Romero, J. (2005), Avances em cultivo, poscosecha y exportación de la uchuva Physalis peruviana L. em Colombia. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, Faculdad de Agronomía. 222 p.

Gaspar M. A. e Portela, M. M. (2002), Contribuição para a caracterização dos recursos hídricos na ilha da Madeira. Modelos para avaliação do escoamento superficial”. 6º Congresso da Água, Porto, 2002.

Hawkins, H-J. e Cramer, M. D. (2011), The Protea Grower’s Manual: Sustainable Nutrition and Irrigation, v.1.1, ISBN 978-0-620-59736-4, Protea Producers of South Africa, Cape Town, South Africa.

Heuvelink, E. (1995), Growth, development and yield of a tomato crop: periodic destructive measurements in greenhouse. Scientia Horticulturae, v. 61, p. 77-99.

Lopes, M. C. e Stripari, P. C. (1998), A cultura do tomateiro. In: Goto, R. e Tivelli, S. W. Produção de hortaliças em ambiente protegido: condições subtropicais. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, p. 15-30.

Lousada, S. A. N. e Camacho, R. (2018), Hidrologia, recursos hídricos e ambiente - Aulas Teóricas. Vol. I, ISBN 978-989-8805-33-1, Universidade da Madeira. 230 p.

Mapa de evapotranspiração de Portugal, Disponível em: <http://www.ipma.pt/pt/index.html>. Acesso em: 23 jul. 2019.

Marketing Agrícola (2016), Sistema de Rega gota a gota. Disponível em: <https://marketingagricola.pt/sistema-de-rega-gota-a-gota-vantagens-e-desvantagens/sistema-gota-a-gota/>. Acesso em: 20 jul. 2019.

Mata, J. (1996), Petrologia e Geoquímica das lavas da ilha da Madeira: implicações para os modelos de evolução mantélica. Dissertação para obtenção do Grau de Doutor em Geologia, Lisbon University. 471 p.

Miranda, D. (2004), Informes de visitas de asesoría técnica a fincas produtoras de uchuva (Physalis peruviana L.) en la Sabana de Bogotá y Antioquia. Bogotá: Facultad de Agronomía, Universidad Nacional de Colombia. 35 p.

Obrecht, A. S. (1993), Estudio fenológico de uvilla (Physalis peruviana L.). Tese para obtenção do grau de Doutor pela Faculdad de Ciencias Agrarias y Forestales, Universidad de Chile, Santiago.

Pagot, E. e Hoffmann, A. (2003), Produção de Pequenas Frutas no Brasil. In: Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas, 1., Vacaria, Anais...Bento Gonçalves: EMBRAPA, Uva e Vinho, p. 7-15.

Pereira, E. C. N. (1989), Ilhas de Zarco. Funchal.

Prada, S. e Silva, M. O. e Cruz, J. V. (2003), Groundwater behaviour in Madeira, volcanic island (Portugal). Hidrogeology Journal.

Quinas, R. M. F. (2017), Dimensionamento de sistemas de rega: Elaboração de um projecto de rega localizada por gota a gota e de um projecto de rega por aspersão. Relatório de Estágio para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Agronómica pela Universidade de Lisboa, Lisboa. 120 p.

Quintal, R. (2010), Levadas da Madeira Caminhos da Água, Caminhos de Descoberta da Natureza. Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa.

Raposo, J.R. (1996), A Rega – Dos primitivos regadios às modernas técnicas de rega. Fundação Calouste Gulbenkian – Serviço de educação, Portugal, ISBN – 972-31-0709-0.

Rêgo, J. T. (2018). Dimensionamento de um sistema de rega para uma horta urbana com recurso a águas pluviais. Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Energias Sustentáveis pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto. 106 p.

Rodrigues R. (1995), Hidrologia de Ilhas Vulcânicas. LNEC, Lisboa.

Rosa, A. J. G. (1995), Rega Localizada em Horticultura. Algarve: Guia do Extensionista – Direcção Regional de Agricultura do Algarve, Secretaria de Estado da Agricultura, Ministério da Agricultura.

Rufato, L. e Rufato, A. De. R. e Schlemper, C. e Lima, C. S. M. e Kretzschmar, A. A. (2008), Aspectos técnicos da cultura da Physalis. 1ª ed. Lages: CAV/UDESC; Pelotas, UFPel. 100 p.

Testezlaf, R. e Matsura, E. E (2015), Engenharia de irrigação: tubos e acessórios. Campinas, SP: Unicamp/Faculdade de Engenharia Agrícola. 153p.

Testezlaf, R. (2017), Irrigação: Métodos, Sistemas e Aplicações. Faculdade de Engenharia Agrícola, UNICAMP, 2017.

Published

2020-08-28

How to Cite

Vasconcelos, E. L. N., Lousada, S. A. N., Moura, A. D. S., & Gonçalves, L. B. (2020). Projeto e Gestão Otimizada de Sistemas de Rega. Caso de Estudo – RAM / Design and Optimized Management of Irrigation Systems. Case Study – RAM. Brazilian Journal of Development, 6(8), 62908–62931. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-648

Issue

Section

Original Papers