Procedimento Operacional Padrão como estratégia para avaliação toxicológica e registro de Plantas Medicinais/Standard Operating Procedure as a strategy for toxicological evaluation and registration of Medicinal Plants

Authors

  • Igor Birelo Sanches
  • João Paulo Ferreira Schoffen
  • Fábio Rodrigues Seiva
  • Cristiano Massao Tashima
  • Regildo Márcio Gonçalves Silva
  • Carlos Vinícius Dalto da Rosa

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-598

Keywords:

agroecologia, fitoterápicos, anti-helmínticos naturais, ensaios pré-clínicos.

Abstract

Considerando os Objetivos de Desenvolvimento Sustenta?vel da Agenda 2030, pra?ticas relacionadas ao desenvolvimento de fitoterápicos, produtos tradicionais fitotera?picos e plantas medicinais representam importantes medidas estrate?gicas para minimizar a ocorre?ncia de resiste?ncia farmacolo?gica bem como o impacto de resi?duos medicamentosos sinte?ticos no meio ambiente. No contexto agropecuário, resistência farmacológica de helmintos intestinais representa importante barreira ao controle sanitário em animais de produção. O estudo de plantas taníferas têm demonstrado significativos efeitos sobre helmintos intestinais, representando importante alternativa ao uso de anti-helmínticos sintéticos em sistemas de produção animal. No entanto, aplicação de produtos com potencial farmacológico requer avaliação da efetividade e segurança medicamentosa, possibilitando registro de plantas medicinais e fitoterápicos. Estabelecimento de Procedimento Operacional Padrão (POP) é de suma importância uma vez que proporciona controle sobre a execução dos ensaios e repetibilidade científica. Neste contexto, o objetivo do presente estudo foi estabelecer POP para execução e repetibilidade da avaliação de possíveis efeitos hepatotóxicos e nefrotóxicos do Extrato Hidroalcoólico de Brácteas de Musa paradisiaca a 10% (EHABB 10%) em ratos Wistar. Foram selecionados artigos científicos publicados entre os anos de 2010 e 2020 nas bases de dados Scielo, PubMed e Portal de Periódicos da CAPES, bem como documentos emitidos por órgãos regulamentares da pesquisa científica como Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), National Institute of Health (NIH), National Research Council (NRC), Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) e Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD). O documento produzido descreve detalhadamente delineamento experimental, incluindo dados comportamentais, análises bioquímicas e histológicas, assim como análise estatística empregada. A partir dos resultados obtidos pelo presente estudo foi possível estabelecer POP para avaliação toxicológica do EHABB 10%, favorecendo sua execução de forma mais precisa, padronizada e eficiente.

References

ABBAS, K. et al. Pharmacognostic evaluation of Musa paradisiaca L. bract, flower, trachea and tracheal fluid. World Journal of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences. India, v. 4, n. 4, p. 1461-1475, 2015.

___. Evaluation of Hepatic activity of various morphological parts of Musa paradisiaca L. African Journal of Pharmacy and Pharmacology. Nigeria, v. 10, n. 10, p. 419 – 429, 2016.

ANDRADE, L. Fitotera?picos da relac?a?o nacional de medicamentos essenciais no Brasil. Revista Cubana de Plantas Medicinales, v. 22, n. 1, 2017.

ANVISA. Guia para a condução de estudos não clínicos de toxicologia e segurança farmacológica necessários ao desenvolvimento de medicamentos. 2ª ed. Brasília: ANVISA, 2013.

AMARANTE, A F T; AMARANTE, M R V. Advances in the diagnosis of the gastrointestinal nematode infections in ruminants. Braz. J. Vet. Res. Anima. Sci.. Brasil, v. 53, n. 2 p 127-137, 2016.

AMERICAN VETERINARY MEDICAL ASSOCIATION. AVMA Guidelines for the Euthanasia of Animals: 2020 Edition. Schaumburg: AVMA, 2020.

BABIC, S. Fate of febantel in the aquatic environment—the role of abiotic elimination processes. Environmental Science and Pollution Research. India, v. 25, p. 28917–28927, 2018.

BENAVIDES, J C R et al. Medicinal plants used as anthelmintics: Ethnomedical, pharmacological, and phytochemical studies. European Journal of Medicinal Chemistry. França, v. 129, p. 209-217, 2017.

BRASIL. Ca?mara Interministerial de Agroecologia e Produc?a?o Orga?nica. Brasil agroecolo?gico: Plano Nacional de Agroecologia e Produc?a?o Orga?nica (PLANAPO 2016-2019). Brasi?lia: Ministe?rio do Desenvolvimento Agra?rio, 2016. 89 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada - RDC n° 26, de 13 de maio de 2014. Diário Oficial da União: seção I, Brasília, DF, p. 52, 14 maio 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenc?a?o Ba?sica. Pra?ticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na atenc?a?o ba?sica. Brasi?lia: Ministe?rio da Sau?de, 2012. 156 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 91 p.

BRASIL. Ministe?rio da Sau?de. Secretaria de Cie?ncia, Tecnologia e Insumos Estrate?gicos. Departamento de Assiste?ncia Farmace?utica e Insumos Estrate?gicos. Relac?a?o Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2014. 9 ed. Brasi?lia: Ministe?rio da Sau?de, 2015. 205 p.

BRASIL. Preside?ncia da Repu?blica. Decreto nº 7. 508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, dispo?e sobre a organizac?a?o do Sistema U?nico de Sau?de - SUS e da? outras provide?ncias. Diário Oficial da União: seção I, Brasília, DF, p. 1, 28 jun. 2011.

BRASIL. Resolução Normativa CONCEA nº 37, de 15 de fevereiro de 2018. Baixa a Diretriz da Prática de Eutanásia do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal – CONCEA. Diário Oficial da União: seção I, Brasília, DF, p. 5, 22 fev. 2018.

CHARAN, J; KANTHARIA, N D. How to calculate sample size in animal studies?. Journal of Pharmacology and Pharmacotherapeutics. India, v. 4, n. 4, p. 303-306, 2013.

DOS SANTOS, J M L t al. Identification and quantification of benzimidazole resistance polymorphisms in Haemonchus contortus isolated in Northeastern Brazil. Veterinary Parasitology. Inglaterra, v. 199, n. 5, p. 160–164, 2014.

DOS SANTOS, J M L et al. Quantitative molecular diagnosis of levamisole resistance in populations of Haemonchus contortus. Experimental parasitology. EUA, v. 205, 2019.

EICHBERG, C et al. The anthelmintic ingredient moxidectin negatively affects seed germination of three temperate grassland species. Plos one. EUA, v. 11, n. 11, 1 – 13, 2016.

FORTES F S; MOLENTO, M B. Resistência anti-helmíntica em nematóides gastrintestinais de pequenos ruminantes: avanços e limitações para seu diagnóstico. Pesquisa Veterinária Brasileira. Brasil, v. 33, n. 7, p. 1391-1402, 2013.

GREGORY, L et al. Dried, ground banana plant leaves (Musa spp.) for the control of Haemonchus contortus and Trichostrongylus colubriformis infections in sheep. Parasitology Research. Reino Unido, v. 142, n. 4, p. 111:317–323, 2015.

HOSTE, H; TORRES-ACOSTA, J F J. Non chemical control of helminths in ruminants: Adapting solutions for changing worms in a changing world. Veterinary Parasitology. Inglaterra, v. 180, n. 3, p. 144–154, 2011.

KAKIMORI, M T A et al. Anthelmintic and antioxidant potential of banana bracts (Musa paradisiaca) extract in ruminants. Acta Veterinária Brasilica, v.13, n.1, p. 18-23, 2019.

MAXIE, M G. Jubb, Kennedy and Palmer's Pathology of Domestic Animals: Volume 2. 5 ed. EUA: Saunders Ltd., 2007. 782 p.

LANUSSE, C; ALVAREZ, L; LIFSCHITZ, A. Pharmacological knowledge and sustainable anthelmintic therapy in ruminants. Veterinary Parasitology. Inglaterra, v. 204, n. 1, p. 18-33, 2014.

LEME, M E, et al. Ac?a?o in vitro do extrato do bota?o floral da bananeira (Musa spp.) sobre nemato?deos gastrintestinais de ovinos. Research, Society and Development. Brazil, v. 9, n. 8, 2020.

MARIE-MAGDELEINE, C et al. Effect of banana foliage (Musa x paradisiaca) on nutrition, parasite infection and growth of lambs. Livestock Science. Holanda, v.131, n. 6, p. 234–239, 2010.

MARIE-MAGDELEINE, C et al. In vitro effects of Musa x paradisiaca extracts on four developmental stages of Haemonchus contortus. Research in Veterinary Science. Reino Unido, v. 96, p. 127-132, 2014.

NATIONAL INSTITUTE OF HEALTH. Guidelines for Pain and Distress in Laboratory Animals: Responsibilities, Recognition and Alleviation. [S.I.] 2010. 6 p.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient Requeriments of Laboratory Animals. (Fourth Revised Edition, 1995). Washington, D.C.: National Academy Press, 1995, 173p.

NEVES, S M P; MANCINI FILHO, J; MENEZES, E W. Manual de cuidados e procedimentos com animais de laboratório do biotério de produção e experimentação da FCF-IQ/USP. São Paulo: 2013.

NOGUEIRA, F A et al. Anthelminthic efficacy of banana crop residues on gastrointestinal nematodes of sheep: in vitro and in vivo tests. Parasitology Research. USA, v. 111, n. 4, p. 317–323, 2012.

OLIVEIRA, L N et al. Eficácia de resíduos da bananicultura sobre a inibição do desenvolvimento larval em Haemonchus spp. provenientes de ovinos. Ciência Rural. Brasil, v. 40, n. 2, p. 488-490, 2010.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Guideline 420: Acute Oral Toxicity – Fixed Dose Procedure. Paris: OECD, 2001. 14 p.

RUSSELL, W M S; BURCH, R L. The Sources Incidence and Removal of Inhumanity. In: _____. (Eds.). The Principles of Humane Experimental Technique. Londres: Methuen and Co., Ltd., 1959. p. 37-43.

SIQUEIRA, J S et al. Prospecção fitoquímica e avaliação dos potenciais citotóxico e antioxidante do extrato das folhas de Microgramma vaccinnifolia. Brazilian Journal of Development. Brasil, v. 6, n. 4, p. 20318-20331, 2020.

THRALL, M A; WEISER, G; ALLISON, R W.; CAMPBELL, T W. Veterinary hematology and clinical chemistry. 2 ed. Iowa: Wiley-Blackwell, 2012. 762p.

VERTEBRATE ANIMAL RESEARCH. Anesthesia (Guideline). Iowa: 2018. Disponível em: < https://animal.research.uiowa.edu/iacuc-guidelines-anesthesia>. Acesso em 22 fev. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development. Sustainable Development Goals – Knowledge Platform. [S.I.] 2015. Disponível em: < https://blog.fastformat.co/como-fazer-citacao-de-artigos-online-e-sites-da-internet/>. Acesso em 25 jan. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Monographs on Selected Medicinal Plants. Genebra: WHO, 2002. 448 p. 4 v.

Published

2020-08-26

How to Cite

Sanches, I. B., Schoffen, J. P. F., Seiva, F. R., Tashima, C. M., Silva, R. M. G., & Rosa, C. V. D. da. (2020). Procedimento Operacional Padrão como estratégia para avaliação toxicológica e registro de Plantas Medicinais/Standard Operating Procedure as a strategy for toxicological evaluation and registration of Medicinal Plants. Brazilian Journal of Development, 6(8), 62280–62292. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-598

Issue

Section

Original Papers