A influência do índice de massa corpórea elevado no processo de indução do parto / The influence of high body mass index in the child induction process

Authors

  • Milene de Oliveira Almeida
  • Maria José de Oliveira Martins
  • Monique Maria Silva da Paz
  • Nadine Oliveira Cabral
  • Viviann Alves de Pontes
  • Poliana Kelma Berto da Silva Alves
  • Thais Josy Castro Freire de Assis
  • Cristina Katya Torres Teixeira Mendes

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-590

Keywords:

Parto, Gestação, Indução do parto.

Abstract

Objetivo: Analisar a influência do IMC no processo de indução do trabalho de parto por misoprostol e os seus desfechos. Metodologia: Pesquisa de caráter descritivo documental, realizada através da avaliação de prontuários de 90 gestantes internadas no Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW) e induzidas ao trabalho de parto com misoprostol com idade maior de 18 anos, os dados coletados foram posteriormente analisados no programa estatístico SPSS. As variáveis avaliadas foram: dados sóciodemográficos e clínicos materno e características e desfechos do processo de indução. Resultados: Das 90 mulheres analisadas, de acordo com o IMC, 54,5% estavam acima do peso, 12,2% baixo peso e 33,3% peso adequado, apresentando uma média de idade de 27,8 anos. Apresentaram IMC mais elevado mulheres na faixa etária de 33-45 anos e as multíparas. Quanto ao processo de indução, 46,7% das que tinham peso adequado tomaram apenas uma dose e as que estavam acima do peso tiveram maior tempo entre o início da indução até o parto. A maior parte das pacientes que evolui para parto normal apresentava baixo peso. Conclusão: O IMC influencia no processo de indução de trabalho de parto, interferindo no quantitativo de doses administradas, tempo total do início da indução ao parto, como também no tipo de parto realizado.

 

References

Santos-Rocha R, Branco M. Gravidez ativa–Adaptações fisiológicas e biomecânicas durante a gravidez e o pós-parto. (2016).

Brasil. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde. 2013.

Brasil. Manual técnico de Gestação de alto risco. 5ª Edição.Brasília. 2010 .

Tavares BB, Schiavetto PCF. Índice de massa corporal de gestantes na unidade de saúde da família. Enfermería Global. 2018.

Carneiro JRI. Pregnancy and obesity: an emerging problem. Revista HUPE. 2014; 13(3): 18-25.

Gutarra Saman J. Obesidad como factor de riesgo asociado a la realización de cesárea en gestantes a término atendidas en el Hospital de Vitarte durante el periodo de Enero a Diciembre del 2017. 2019.

Lara SRG, Oliveira RFD. Utilização do método de Krause e prostaglandinas na indução do trabalho de parto em gestantes com feto viável. Nursing (Säo Paulo). 2019; 22(248): 2577-2582.

Nogueira AI, Carreiro, MP. Obesidade e gravidez. Rev Med Minas Gerais. 2013; 23(1): 88-98.

Kelly Ruhstaller, MD. Induction of labor in the obese patient. Elsevier Inc. 2015; 437-440.

Farrona BA, Vilches VG, Jiménez AL, De la Torre González AJ, Berral JEA. Influencia de la obesidad en la evolución del parto. Progresos de Obstetricia y Ginecología. 2017; 58(4): 171-176.

Colquitt J, et al. Surgery for morbid obesity. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2003; n. 2.

da Silva DG; Bispo NM. Associação entre ganho de peso gestacional e prognóstico da gestação. Scientia Medica. 2014; 24(3).

Carneiro JRI, et al. Gestação e obesidade: um problema emergente. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2014; 13(3).

Aldrighi JD; Wall ML; Souza SRRK. Vivência de mulheres na gestação em idade tardia. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2018; 39.

Lisowski JF, et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade e fatores associados em mulheres de São Leopoldo, Rio Grande do Sul: um estudo de base populacional. Cadernos Saúde Coletiva. 2019; 27(4): 380-389.

Kac G, Velásquez-Meléndez G, Coelho MAS. Fatores associados à obesidade abdominal em mulheres em idade reprodutiva. Revista de Saúde Pública. 2001; 35: 46-51.

Falivene MA, Orden AB. Fatores do comportamento materno que influenciam a retenção de peso pós-parto. Implicações clínico-metabólicas. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2017; 17(2): 251-259.

Filgueira GCO. Efeitos da obesidade materna sobre a farmacocinética do misoprostol durante a indução do trabalho de parto. 2019. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Soni S, et al. Is vaginal misoprostol more effective than oral misoprostol for cervical ripening in obese women?. The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine. 2019; p. 1-8,

De Souza SR, Leão IMM, Almeida LA. A gestante no pré-parto: a fisioterapia traz benefícios?. Scire Salutis. 2018; 8(2):104-114.

Silva TAG, Júnior LEB, Tahan LA, Costa TFA, Magalhães FO, Peixoto AB, Martins WP, Júnior EA. Induction of Labor using Misoprostol in a Tertiary Hospital in the Southeast of Brazil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia/RBGO Gynecology and Obstetrics. 2017; 39(10): 523-528.

Kawakita T, Iqbal SN, Huang CC, Reddy UM. Nonmedically Indicated Induction in Morbidly Obese Women is Not Associated With an Increased Risk of Cesarean Delivery. Obstetric Anesthesia Digest. 2018; 38(3): 125-126

Gonçalves JTT, Silveira MF, Campos MCC, Costa LHR. Sobrepeso e obesidade e fatores associados ao climatério. Ciência & Saúde Coletiva, 2016; 21(4): 1145-1155

Hanley MJ, Abernethy DR, Greenblatt DJ. Effect of obesity on the pharmacokinetics of drugs in humans. Clin Pharmacokinet. 2010;49(2):71–87.

Published

2020-08-26

How to Cite

Almeida, M. de O., Martins, M. J. de O., Paz, M. M. S. da, Cabral, N. O., Pontes, V. A. de, Alves, P. K. B. da S., Assis, T. J. C. F. de, & Mendes, C. K. T. T. (2020). A influência do índice de massa corpórea elevado no processo de indução do parto / The influence of high body mass index in the child induction process. Brazilian Journal of Development, 6(8), 62180–62188. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-590

Issue

Section

Original Papers