Negligência e desafios na saúde coletiva: Análise epidemiológica dos casos de doença de Chagas aguda no Brasil, no período de 2009 a 2018 / Neglect and challenges in public health: Epidemiological analysis of cases of acute Chagas disease in Brazil, from 2009 to 2018

Authors

  • Luís Roberto da Silva
  • Laís Eduarda Silva de Arruda
  • Aílton Clemente da Silva
  • Camila Maria Barros Teixeira
  • Guilherme Lira
  • Ricardo José Ferreira
  • Emília Carolle Azevedo de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-555

Keywords:

Doença de Chagas, Doenças Negligenciadas, Notificação de Doenças, Saúde Pública.

Abstract

A doença de Chagas é uma doença tropical negligenciada com elevada prevalência, expressiva morbimortalidade e endêmica em diversos países da América Latina. Ainda não existe uma cura para essa patologia em sua fase avançada, por isso, as medidas de controles do vetor e o diagnóstico precoce são essenciais para a diminuição do impacto da doença no país, visto que afetam principalmente populações que vivem em estado de vulnerabilidade social.  Assim, entende-se a importância de estudos sobre o tema a fim de alcançar possibilidades para a tomada de decisão por parte do gestor em saúde. O estudo tem por objetivo analisar o cenário epidemiológico dos casos de doença de Chagas aguda no Brasil, no período de 2009 a 2018. Para isso, foram usados dados secundários de domínio público, disponíveis no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Foram utilizados os softwares TerraView 4.2.2 e QGIS 3.12.2 para a elaboração dos mapas e o R 4.0.2 para análise estatística das variáveis. Assim como, planilhas eletrônicas do Microsoft Office Excel® 2016 para organização dos dados e produção de gráficos e tabelas. Identificou-se que a região Norte teve o maior percentual de casos (94,75%), a maioria dos casos foram em pessoas do sexo masculino (53,71%), na raça/cor parda (76,32%), faixa etária de 20 a 39 anos (33,98%), o modo de contaminação mais presente foi por via oral (74,35%), o critério de confirmação mais utilizado foi o laboratorial (94,71%), 87,40% dos casos permaneceram vivos e 1,40% evolui para o óbito por doença de Chagas aguda. Quanto a análise espacial, foi identificado que o Índice de Moran Local identificou distintos comportamentos espaciais nas regiões brasileiras, tendo o Norte se destacado pela presença de clusters de altos valores. Quanto a espacialização dos óbitos por doença de Chagas aguda, observou-se que as regiões apresentaram extensos clusters de baixos valores, com exceção da região Norte que apresentou outliers Baixo Alto. Diante disso, é denotado a urgente necessidade de trabalhar com as doenças e populações negligenciadas, formular e implementar políticas que intervenham nos determinantes sociais e garantam melhores condições de vida a população, acesso aos serviços de saúde, ações de promoção e prevenção da saúde, educação em saúde, além de diversos outros modos de intervenção.

References

BRASIL; Ministério da Saúde; Secretaria de Vigilância em Saúde. Doença de Chagas aguda no Brasil: série histórica de 2000 a 2013. Bol Epidemiol. 2015; Vol. 46, n. 21, p. 1-9. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2015/agosto/03/2014-020..pdf. Acesso em 10 ago. 2020.

______. PORTARIA Nº 344, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2017. DOU, 2017. n. 24, s. 1, p. 62. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-344-de-1-de-fevereiro-de-2017-20785508. Acesso em 10 ago. 2020.

______. Doença de Chagas: 14 de abril – Dia Mundial. Boletim epidemiológico, 2020. vol. 51, n. esp., p. 1-43. Disponível em: http://www.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos. Acesso em: 13 ago. 2020.

______; Conselho Nacional de Saúde. RESOLUÇÃO N° 510, DE 7 DE ABRIL DE 2016. DOU, 2016. n. 98, s. 1, p. 44-46. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-n-510-de-7-de-abril-de-2016-22917558. Acesso em: 10 ago. 2020.

CHAGAS, C. Nova tripanozomiaze humana: estudos sobre a morfolojia e o ciclo evolutivo do Schizotrypanum cruzi n. gen., n. sp., ajente etiolojico de nova entidade morbida do homem. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 1909. vol. 1, n. 2, p. 159-218. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761909000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em 04 ago. 2020.

Dias, J. C. P. et al. II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 2016. vol. 25, n. esp, p. 7-86. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742016000500007. Acesso em 12 ago. 2020. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000500002.

Jurberg, J. et al. Atlas Iconográfico dos Triatomíneos do Brasil (Vetores da Doença de Chagas). Instituto Oswaldo Cruz, 2014. Disponível em: http://www.fiocruz.br/ioc/media/Atlas_triatominio_jurberg.pdf. Acesso em 8 ago. 2020.

Luzardo, A. J. R.; Castañeda Filho, R. M.; Rubim, I. B. ANÁLISE ESPACIAL EXPLORATÓRIA COM O EMPREGO DO ÍNDICE DE MORAN. GEOgraphia, 2017. vol. 19, n. 40. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/viewFile/13807/9007. Acesso em 17 ago. 2020.

Marques, A. A.; Hennington, E. A. As repercussões da Doença de Chagas no contexto de vida e trabalho de usuários de instituto de pesquisa. Saúde debate [online], 2017. vol.41, n. spe2, pp. 215-224. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042017000600215&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 9 ago. 2020.

Nogueira, K. K. P. L. et al. Caracterização dos casos de doença de chagas notificados no Estado do Pará no período de 2014 a 2017. Braz. J. of Develop., Curitiba, 2020. v. 6, n. 1, p.4635-4648. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/6471/5718. Acesso em 8 ago. 2020.

Santos, A. B. S.; Coelho, T. C. B. Araújo, E. M. Identificação racial e a produção da informação em saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, 2013. vol. 17, n. 45, p. 341-356. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832013000200008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 9 ago. 2020.

Vinhaes, M. C.; Dias, J. C. P. Doença de Chagas no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2000. v. 16, supl. 2, p. S7-S12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2000000800002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 4 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000800002.

Published

2020-08-25

How to Cite

Silva, L. R. da, Arruda, L. E. S. de, Silva, A. C. da, Teixeira, C. M. B., Lira, G., Ferreira, R. J., & Oliveira, E. C. A. de. (2020). Negligência e desafios na saúde coletiva: Análise epidemiológica dos casos de doença de Chagas aguda no Brasil, no período de 2009 a 2018 / Neglect and challenges in public health: Epidemiological analysis of cases of acute Chagas disease in Brazil, from 2009 to 2018. Brazilian Journal of Development, 6(8), 61734–61752. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-555

Issue

Section

Original Papers