Porosidade do concreto versus forma do agregado graúdo/Porosity of concrete verses shape of the aggregate

Authors

  • Danillo de Almeida e Silva Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • André Luiz Bortolacci Geyer
  • João da Costa Pantoja

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-449

Keywords:

Porosidade, influência da forma, agregado graúdo

Abstract

 A porosidade do concreto está intimamente relacionada com a durabilidade e desempenho das edificações, o estudo mais aprofundado dos fatores relacionados a quantidade de vazios presente no concreto endurecido se faz necessário para uma melhor compreensão e análise da qualidade e durabilidade das edificações. O presente trabalho descreve uma análise e classificação da forma do agregado graúdo britado para uso em concreto e sua relação com a porosidade do concreto. As referências quanto à determinação da forma do agregado graúdo é baseada em normas regulamentadoras e outros, com intuito de definirem parâmetros de comparações. O estudo para à classificação da forma do agregado graúdo é relativamente novo (Powers, 1953) foi o primeiro a propor um método de classificação para a forma do agregado. Atualmente existem alguns métodos, alguns propostos por alguns pesquisadores e outros exigidos por normas como NBR 7809 (ABNT, 2005) e outras. No desenvolvimento da metodologia da pesquisa, foram descritas a caracterização da forma, parâmetros estabelecidos por normas nacionais, internacionais, além de outras referências que estabeleceram diretrizes para classificação da forma do agregado graúdo britado. Com base nessas referências, estabeleceram-se critérios e parâmetros para determinar a forma do agregado graúdo britado em 4 (quatro) categorias: forma cúbica, forma alongada, forma lamelar e forma alongada-lamelar.  Foi utilizado o método EPUSP-IPT, como método de dosagem para a produção dos concretos com forma cúbica, alongada, lamelar e alongada-lamelar, e, posterior análise dos resultados. Foram realizados os ensaios à compressão simples e tração por compressão diametral para os concretos produzidos aos 7, 14 e 28 dias. Analisando o comportamento da forma dos agregados, percebe-se a influência que as mesmas exercem no concreto fresco e endurecido. Para a resistência a compressão as formas cubicas e alongadas (formas com menores índices de irregularidades), apresentarão maiores resistências e consequentemente menores índices de vazios e para a resistência a tração as formas lamelares (Formas com alto índice de irregularidades) apresentaram as maiores resistências as formas irregulares apresentam maiores áreas de aderência para pasta de cimento e agregado favorecendo grandes áreas de ancoragem para a zona de transição, onde ocasiona o elo fraco do concreto, com isto aumentando sua resistência a tração.

References

Silva, D. A., Estudo da influência do índice de forma do graúdo nas propriedades mecânicas do concreto. Dissertação de (Mestrado) - Universidade Federal de Goiás, Escola de Engenharia Civil, 2012

Silva, D. A, Geyer. Bortolacci, Analise e classificação da forma do agregado grúde britado para concreto. Outubro, 2013. Congresso Brasileiro do Concreto, IBRACON, ISSN 2175-8182.

Silva, D. A, Geyer. Bortolacci, Infuência da forma do agregado graúdo nas propriedades mecânicas do concreto. Outubro, 2013. Congresso Brasileiro do Concreto, IBRACON, ISSN 2175-8182.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7809: AGREGADO GRAÚDO - Determinação do Índice de Forma Pelo Método do Paquímetro. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7.211: Agregado para concreto - Especificação. Rio de Janeiro, 1983.

AMERICAN CONCRET INSTITUTE. ACI 213R-87, Guide for Structural Lightweight Aggregate Concrete. USA. 1987

ASTM D 4791 Standard Test Method for Flat and Elongate Particles in Coarse Aggregates, American Society for Testing and Materials, 2005.

ASTM D 5821 Standard Test Method for Determining the Percentage of Fractured Particles in Coarse Aggregate, American Society for Testing and Materials, 2001.

BS 812. Testing aggregates, Part 105. (Methods for Determination of Particle Size and Shaper), British Standard, 1989. Section 105.1 - Flakiness índex.

BS 812. Testing aggregates, Part 105. (Methods for Determination of Particle Size and Shaper), British Standard, 1990. Section 105.2 - Elongation índex of coarse aggregate.

BS 812. Testing aggregates, Part 1. (Methods for sampling), British Standard, 1975.

FABRO F.; GAVA G. P. GRIGOLI H. B.; MENEGHETTI L. C. Influência da forma dos agregados miúdos nas propriedades do concreto. Revista Ibracon Estruturas e Materiais, v. 4, (Junho, 2011) p. 191-212.

NUNES, M. F., MARQUES, E. P. Agregados para a construção civil. In: Materiais de construção civil e princípios da ciência e eng. de materiais. 2007, v. 1, pg. 481 – 524.

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. Concreto: estrutura, propriedades e materiais. 3ª ed. São Paulo: Pini, 2008.

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. 2ª ed. São Paulo: Pini. 1997.

PARAGUASSU, A. B; FRAZÃO, E. B. Materiais Rochosos para Construção. In: Antonio Manoel dos Santos Oliveira; Sérgio Nertan Alves de Brito (Org.) Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Eng. Ambiental, v. único, 1998. p. 331342.

Published

2020-08-21

How to Cite

Silva, D. de A. e, Geyer, A. L. B., & Pantoja, J. da C. (2020). Porosidade do concreto versus forma do agregado graúdo/Porosity of concrete verses shape of the aggregate. Brazilian Journal of Development, 6(8), 60359–60376. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-449

Issue

Section

Original Papers