Caracterização dos estabelecimentos de agricultura familiar: uma análise das atividades agrícolas e não agrícolas por meio do Censo Agropecuário / family farming establishments: analysis of agricultural and non-agricultural activities through the Agricultural Census

Authors

  • Isadora de Andrade Tronco
  • Paulo Henrique Pulcherio Filho
  • Pedro Talora Bozzini
  • Vitória de Andrade Tronco
  • Adriana Estela Sanjuan Montebello
  • Adriana Cavalieri Sais

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-447

Keywords:

Agricultura familiar, Pluriatividade, Plurirrendimentos, Heterogeneidade, Censo Agropecuário 2006/2017.

Abstract

Uma das características mais marcantes da agricultura familiar brasileira é a sua heterogeneidade e, incluso neste aspecto, estão as diferentes formas de complementar a renda familiar. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo caracterizar a agricultura familiar, no Brasil, em especial à questão dos plurirrendimentos, que são os estabelecimentos onde há atividades agropecuárias (produção vegetal, produção animal e derivados, e produtos agroindustriais) conjuntamente com aquelas atividades não vinculadas à agropecuária (podendo ser outras receitas do estabelecimento ou do produtor). O estudo é ampliado utilizando-se de dados das receitas da agricultura familiar no Rio Grande do Sul e Pernambuco, dois estados que têm disparidades socioeconômicas e manifestam diferentemente as estratégias pluriativas. Com a finalidade de atingir os objetivos, foi feito um levantamento bibliográfico sobre o tema, além de uma pesquisa exploratória com a coleta de dados quantitativos secundários utilizando o Censo Agropecuário de 2006 e 2017, como também indicadores socioeconômicos disponíveis no IBGE-SIDRA e IBGE Estado e Cidade. Como resultado, observa-se uma estratégia de diversificação da renda do agricultor familiar, ao realizar atividades além das agrícolas dentro da propriedade ou fora dela. Os dados nos estados de Pernambuco e Rio Grande do Sul evidenciam a hipótese de que as condições socioeconômicas podem influenciar no plurirrendimento dos estabelecimentos, com base nos indicadores socioeconômicos.

References

ABRAMOVAY, R. Agricultura Familiar e Uso do Solo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 11, n.2, p. 73-78, 1997. Disponível em: <http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v11n02/v11n02_08.pdf>. Acesso em: 02 set. 2019.

BÁNKUTI, F. I.; BUAINAIN, A. M.; GUANZIROLI, C.; SOUSA FILHO, H. Peculiaridades Regionais da Agricultura Familiar Brasileira. In SOUZA FILHO, H. M.; BATALHA, M. O. (Org.). Gestão Integrada da Propriedade Familiar. São Carlos: EdUFSCar, 2005.

BIANCHINI, V. Vinte anos de PRONAF, 1995-2015: avanços e desafios. Brasília: SAF, MDA, 2015.

BUAINAIN, A.M. Agricultura Familiar, Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável: questões para debate. Brasília: IICA, 2006. Disponível em: <https://repositorio.iica.int/bitstream/handle/11324/7555/BVE19039839p.pdf;jsessionid=C5F1646CDB76EF71ACC98A69246631EA?sequence=1>. Acesso em: 13 jul. 2020

DEL GROSSI, M. E.; SILVA, J. G. O novo rural: uma abordagem ilustrada. Vol. 1 e 2. Londrina: Instituto agronômico do Paraná, 2002. ISBN 85-88184-06-0.

DEL GROSSI, M. E.; GRAZIANO DA SILVA, J. A pluriatividade na agropecuária brasileira em 1995. Estudos Sociedade e Agricultura, [S. l.], p. 26-52, 11 out. 1998. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/onze/grazia11.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

FELTRE, C.; BACHA, C. J. C. A evolução da pluriatividade nos estados de São Paulo e Pernambuco no período de 2001 a 2007. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 41, n. 1, p. 41-55, jan./mar. 2010. Disponível em: < https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/293>. Acesso em: 02 abr. 2020.

GRAZIANO DA SILVA, J. et al. Meio rural paulista: muito além do agrícola e do agrário. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, Fundação Seade, v. 10, n. 2, p. 60-72, abr./jun. 1996. In: BALSADI, O. V.; BORIN M. R. OCUPAÇÕES AGRÍCOLAS E NÃO-AGRÍCOLAS NO RURAL PAULISTA: Análise Das Evoluções No Período 1990-2002, p. 157. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/23908/1/OCUPACOES-AGRICOLAS.pdf>. Acesso em: 15 set. 2019.

GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e estado no Brasil. Brasília, Revista de Economia e Sociologia Rural, vol. 52, supl. 1, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2019.

GRISA, C.; WESZ JUNIOR, V.; BUCHWEITZ, V. Revisitando o Pronaf: velhos questionamentos, novas interpretações. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba-SP, Vol. 52, N° 02, p. 323-346, Abr/Jun 2014 - Impressa em Agosto de 2014.

GUIMARÃES, A. P. O complexo agroindustrial. Opinião, Rio de Janeiro, n. 209, 05 nov. 1976. Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/123307/4952>. Acesso em: 03 set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 1995/1996.1996. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-1995-1996>. Acesso em: 07 set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 2006. 2006. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2006/dados-sobre-agricultura-familiar-mda-pronaf>. Acesso em: 07 set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 2017. 2017. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017>. Acesso em: 07 set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades e Estados. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados>. Acesso em: 22 abr. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manual do Recenseador: Censo Agropecuário 2017. 2017. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/instrumentos_de_coleta/doc5537.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produto Interno Bruto dos Municípios. 2010. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pib-munic/tabelas>. Acesso em: 22 abr. 2020.

INSTITUTO BRASIL RURAL. Guia PETR: Panorama Empresarial de Turismo Rural 2010. São Paulo 2010. Disponível em: <http://www.institutobrasilrural.org.br/download/20101108122239.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2020

MARANHÃO, R. L. A.; VIEIRA FILHO, J. E. R. Previdência Rural no Brasil. Texto para discussão. Brasília: Rio de Janeiro: Ipea. ago., 2018. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8690/1/td_2404.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2020

MINISTÉRIO DO TURISMO (BRASIL). Turismo Rural: Orientações básicas. 2. ed. Brasília. 2010. 68p. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/Turismo_Rural_Versxo_Final_IMPRESSxO_.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2020

NASCIMENTO, C. A. A pluriatividade das famílias rurais no Nordeste e no Sul do Brasil: pobreza rural e políticas públicas. Econ. soc., Campinas, v. 18, n. 2, p. 317-348, ago. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-06182009000200004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-06182009000200004.

PIRES, M. J. S.; RAMOS, P. O Termo Modernização Conservadora: Sua Origem e Utilização no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 40, n. 3, p. 411-424, jul.-set. 2009. Disponível em: <https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/367/315>. Acesso em: 03 set. 2019.

SAKAMOTO, C. S.; NASCIMENTO, C. A.; MAIA, A. G. As Famílias Pluriativas e Não Agrícolas no Rural Brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 54, n. 3, p. 561-582, set. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032016000300561&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/1234-56781806-94790540309.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 18, n. 51, p. 99-122, fev. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092003000100008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 jul. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000100008.

SCHNEIDER, S. As novas formas sociais do trabalho no meio rural: a pluriatividade e as atividades rurais não-agrícolas. Redes. Santa Cruz do Sul. Vol. 9, n. 3 (set./dez. 2004), p. 75-109. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/178372>. Acesso em: 11 jul. 2020.

SCHNEIDER, S. et al. Pluriatividade e plurirrendimentos nos estabelecimentos agropecuários do Brasil e das regiões Sul e Nordeste: uma análise a partir do Censo Agropecuário 2006. Brasília, DF: IPEA. (Relatório de Pesquisa), 2013.

TEDESCO, J. C. Artesanato, territorialidades étnicas e agricultura familiar: dinâmicas socioculturais e mercantis no meio rural: o caso da Rota das Salamarias. In: DAVID, C.; VARGAS, D. L. (org.). Saberes tradicionais e artesanato: expressões culturais do campo brasileiro. São Leopoldo: Oikos, 2018.

Published

2020-08-21

How to Cite

Tronco, I. de A., Filho, P. H. P., Bozzini, P. T., Tronco, V. de A., Montebello, A. E. S., & Sais, A. C. (2020). Caracterização dos estabelecimentos de agricultura familiar: uma análise das atividades agrícolas e não agrícolas por meio do Censo Agropecuário / family farming establishments: analysis of agricultural and non-agricultural activities through the Agricultural Census. Brazilian Journal of Development, 6(8), 60316–60337. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-447

Issue

Section

Original Papers