Condições de potabilidade de águas subterrâneas utilizadas para consumo humano no município de Campina Grande, Paraíba / Underground potable water conditions utilized for the human consume at the city of Campina Grande, Paraíba

Authors

  • José Lima Silva Júnior
  • Deyse Karoline Rodrigues dos Santos
  • Joyce Salviano Barros de Figueiredo
  • José Matias da Silva Neto
  • Jahy Barros Neto
  • Otaciana Pereira Leite Neta
  • Najla Silva Furtado
  • Rayza Lívia Ribeiro Andrade

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-339

Keywords:

Rochas Cristalinas, Abastecimento de Água, Águas Subterrâneas, Padrão de Potabilidade da Água.

Abstract

O município de Campina Grande, Paraíba, está inserido em uma região que apresenta litologia com predominância de rochas cristalinas, de maneira que a acumulação da água subterrânea, geralmente, se limita em fissuras rochosas. Diante disso, o presente estudo tem o objetivo de avaliar a qualidade das águas subterrâneas do município de Campina Grande, Paraíba, de acordo com os padrões de potabilidade de água estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS) e o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). A metodologia consiste em um estudo descritivo e exploratório, com abordagem quantitativa e comparativa. Os dados analisados advêm dos laudos físico-químicos de águas para consumo humano realizados pelo Laboratório de Irrigação e Salinidade (LIS) e do cadastro de poços tubulares da Divisão de Hidrogeologia e Sondagens (DHS) da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Minerais da Paraíba (CDRM/PB). Foram estudados e avaliados os índices de STD, Dureza Total (CaCO3), Cloretos (mg/L), Ferro (mg/L), Sódio (mg/L) e Sulfatos (mg/L). Todas as amostras foram classificadas como salobras e com elevados índices de STD. Quanto aos índices de Sódio, Cloreto, Sulfato, Ferro e Dureza Total, foram obtidos valores aceitáveis em aproximadamente 7%,7%,76%,46% e 30%, respectivamente, das amostras estudadas. Conclui-se que nenhuma amostra estudada foi considerada potável, de acordo com as normas vigentes. Observa-se ainda a grande influência que o clima e a composição da rocha exercem na qualidade da água.

References

ALI, N. S.; KYUNG, M.; MOONIL, K. A case study on the relationship between conductivity and dissolved solids to evaluate the potential for reuse of reclaimed industrial wastewater. KSCE Journal of Civil Engineering, v. 16, 2012.

Agência Nacional de Águas (ANA). Situação da Água no mundo. Disponível em: https://www.ana.gov.br/panorama-das-aguas/agua-no-mundo/agua-no-mundo. Acesso em: 27 jul. 2020.

Agência Nacional de Águas (ANA). Conjuntura dos Recursos Hídricos: Informe 2014. Brasília: ANA, 2015.

AUGUSTO, L. G. S.; GURGEL, I. G. D.; NETO, H. F. C.; De MELO, C. H.; COSTA, A. M. O contexto global e nacional frente aos desafios do acesso adequado à água para consumo humano. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), pp 1511–1522, 2012.

BERTOLO, R.; HIRATA, R.; CONICELLI, B.; SIMONATO, M.; PINHATTI, A.; FERNANDES, A. Água subterrânea para abastecimento público na Região Metropolitana de São Paulo: é possível utilizá-la em larga escala? Revista DAE, v. 63, p. 6-18, 2015.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água. 1ª ed. - Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF. 18 mar. 2005, p. 58-63.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA. Secretaria de Minas e Metalurgia; CPRM – Serviço Geológico do Brasil: Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil, Sistema de Informações Geográficas. Mapas na escala 1:2. 500.000. Brasília: CPRM, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914 de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, v. 148, n. 239, 14 dez. 2011. Seção 1, p. 39-46.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS / Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde. – Brasília: Funasa, 2014.

BRASIL. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em 27 de julho de 2020.

Ibge Cidades. CAMPINA GRANDE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/campina-grande/panorama. Acesso em 27 de julho de 2020.

CAMPINA GRANDE - PB. 8º ISRMU. Disponível em: http://www.8isrmu.ufcg.edu.br/index.php/en/cgpb. Acesso em 27 de julho de 2020.

CAPUCCI, E.; MARTINS, A. M.; MANSUR, K. L.; MONSORES, A. L. M. Poços tubulares e outras captações de águas subterrâneas: orientação aos usuários. Rio de Janeiro: SEMADS, 2001. 70 p.

CELLIGOI, A. Considerações sobre análises químicas de águas subterrâneas. Geografia, Londrina, v. 8, n. 1, p. 91-97, 1999.

CETESB. Relatório de Qualidade de Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo: Período 2013 – 2015. São Paulo: Cetesb, 2016. 308 p.

SUDENE. Delimitação do Semiárido - Paraíba. Disponível em: http://www.sudene.gov.br/images/arquivos/semiarido/arquivos/paraiba-delimitacaosemiarido-dezembro2017.jpeg. Acesso em: 04 de agosto de 2020.

FEITOSA, F. A. C.; FILHO, J. M.; FEITOSA, E.C.; DEMETRIO, J. G. A. Hidrogeologia: Conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: CPRM/SGB, p. 344, 2008.

GOOGLE MAPS. Google. 2020. “Artigo: condições de potabilidade de águas subterrâneas utilizadas para consumo humano no município de Campina Grande, Paraíba”. Consultado em 24 de jun. de 2020. Disponível em: https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1S-Dzphp9poW4Mn3oxi4j0vZiRY3duZqW&ll=-7.272288963120844%2C-35.93499121771918&z=11.

METCALF & EDDY. Wastewater engineering. Treatment, disposal, and reuse. 3 Ed. Singapore: McGraw-Hill, Inc. International Edition, 1991.

Portal saneamento básico. Açude de Boqueirão chega a 3,5% do volume e espera água da transposição. Disponível em: https://www.saneamentobasico.com.br/acude-de-boqueirao-chega-a-35-do-volume-e-espera-agua-da-transposicao/. Acesso em: 04 de agosto de 2020.

PIVELI, R. P.; KATO, M. T. Qualidade da água e poluição: aspectos físico-químicos. São Paulo: ABES, 2005.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN) - Balanço do Setor Público Nacional 2(BSPN) 2015. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/campina-grande/panorama. Acesso em 27 de julho de 2020.

SHIKLOMANOV, I. A. World water resources: A new appraisal and assessment of the 21st century. Paris: UNESCO, 1998, 37p.

ZOBY, J. L. G.; OLIVEIRA, F. R. de. Panorama da qualidade das águas subterrâneas no Brasil. Brasília: ANA, 2005. 80 p. (Cadernos de Recursos Hídricos).

Published

2020-08-19

How to Cite

Júnior, J. L. S., Santos, D. K. R. dos, Figueiredo, J. S. B. de, Neto, J. M. da S., Neto, J. B., Neta, O. P. L., Furtado, N. S., & Andrade, R. L. R. (2020). Condições de potabilidade de águas subterrâneas utilizadas para consumo humano no município de Campina Grande, Paraíba / Underground potable water conditions utilized for the human consume at the city of Campina Grande, Paraíba. Brazilian Journal of Development, 6(8), 58870–58883. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-339

Issue

Section

Original Papers