Compreensão popular dos problemas de saúde de duas comunidades adscritas às unidades básicas de saúde do município de Olinda / Popular understanding of the health problems of two communities ascribed to the primary healthcare units of the municipality of Olinda

Authors

  • Rafaella Siqueira de Lemos Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Moab Duarte Acioli
  • Alexandre Barbosa Beltrão
  • João Olímpio do Amaral Siqueira
  • Manoela Rodrigues de Santana
  • Paula Catarina Soares de Brito
  • Lara Cruz Cantarelli

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-305

Keywords:

epidemiologia, pesquisa qualitativa, educação em saúde.

Abstract

A reestruturação da Atenção Primária à Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS) é proposta por meio da ação Estratégia de Saúde da Família (ESF), em que há o rompimento do saber clínico convencional, valorizando a análise personalizada dos indivíduos. Com o intuito de corroborar a idealização da ESF, é essencial a valorização da visão popular sobre os problemas de saúde. Isso é possível a partir da análise qualitativa, pois esta estuda os acontecimentos que não permitem a realização de uma quantificação. O estudo qualitativo é importante para que se compreenda a visão da população sobre as significações do adoecer, gerando um grande impacto na melhoria da saúde da comunidade, visto que será possível criar estratégias com foco nas “lacunas” de conhecimento que interferem no bem-estar social. O objetivo geral deste trabalho foi elaborar um diagnóstico da compreensão popular dos problemas de saúde de duas comunidades do município de Olinda-PE, além de traçar um perfil das famílias e listar os principais problemas de saúde relatados. Foi utilizado como método de estudo a pesquisa qualitativa. Um roteiro de entrevista foi elaborado e aplicado a 80 famílias, utilizando-se a técnica de análise de discurso de Bardin (2004) para a construção de categorias de análise. A partir dos dados coletados, verificou-se que a Hipertensão Arterial Sistêmica e a Diabetes mellitus foram os principais agravos relatados nas duas comunidades. Também se observou que muitos entrevistados não sabiam informações relevantes sobre as doenças que eram relatadas como principais, impedindo a realização de um controle adequado de sua condição de saúde. Foi possível constatar que embora as Unidades Básicas de Saúde tenham desempenhado um papel importante no bem-estar social de várias comunidades, a visão positivista na área tem funcionado como entrave para a eficácia dos serviços, reforçando a necessidade de repensar as práticas em saúde.

References

AQUINO, R.; MEDINA, M. G.; NUNES, C. A.; SOUSA, M. de F. Estratégia saúde da família e reordenamento do sistema de saúde. In: PAIM, J. P.; ALMEIDA-FILHO, N; de A. Saúde coletiva: teoria e prática. 1. ed. Rio de Janeiro: MedBook, 2014. (Cap. 25; p. 353-371).

BARDIN, L (2004). Análise de conteúdo.3 ed. Lisboa. Edições 7. 224p.

BARBOSA, M. A; SIQUEIRA, K. M; BRASIL V. V; BEZERRA A. L. Q. Crenças populares e recursos alternativos como práticas de saúde. 2004, UERJ.

BARRETO, Dionne Guimarães; GURGEL, Fernanda Fernandes. Pesquisa Biográfica: valorização das histórias de vida na formação docente. In: ROCHA, Nívea M. Fraga; LEAL, Raimundo Santos; BOAVENTURA, Edivaldo Machado. (Orgs.) Metodologias Qualitativas de Pesquisa. Salvador: Fast Design, 2008.

BARROS, José Augusto Cabral de. Pensando o processo saúde-doença: a que responde o modelo biomédico? Saúde e Sociedade. 2002, vol. 11, n. 1, pp. 67-84.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF), 2012.

LANGDON, E. J., WIIK, F. B. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Ver. Lat. Americana de Enfermagem, n.3, v.18, p. 459, 2010.

LIMA, E. A.; YASUI, S. Território e Sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 102, pp. 593-606, 2014.

MARRONI, D. A importância da antropologia na Saúde. Ensaios em Saúde Coletiva, v.4, n.16,p.103, 2007

MARTINS, P. C; COTTA, R. M. M; MENDES, F. F; PRIORE, S. E; FRANCESCHINNI, S. C. C; CAZAL, M. M; BATISTA, R. S. De quem é o SUS? Sobre as representações sociais dos usuários do Programa Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 16, n. 3, p. 1933-1942, Mar. 2011.

MENDES, E.V. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva.Vol.15(5):2297-2305, 2010.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco, 1992. 269 p., bibliografia.

MINAYO, M. C. S. Abordagem antropológica para avaliação de políticas sociais. Rev. Saúde Pública, n,3, v.25, p.233, 1991.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (Brasília, DF). Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação: relatório mundial. OMS, 105 p, 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasília, DF). Vigitel Brasil 2019: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. 1. ed. Brasília - DF: Editora MS, 2020.

PAIM, J. S. Epidemiologia e planejamento: a recomposição das práticas epidemiológicas na gestão do SUS. Ciência & Saúde Coletiva, v.8, n.2, p. 557-567, 2003

Plano Municipal de Saúde de Olinda, 2014-17. Relatório final 11° Conferência Municipal de Saúde de Olinda. Prefeitura Municipal de Olinda/Secretaria de Saúde.

Política Nacional de Atenção Básica - PNAB / Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.

SANTOS, A. C. B.; SILVA, A. F.; SAMPAIO, D. L.; SENA, L. X.; GOMES, V. R.; LIMA, V. L. A. Antropologia da saúde e da doença: contribuições para a construção de novas práticas em saúde. Revista NUFEN, n. 4.n. 2. 11 - 21, 2012.

SARDE NETO; Emílio; MALANSKI, Lawrence. Território, cultura e representação. Curitiba: interaberes. 2016. 222p.

STEWART, M.; BROWN, J. B.; WESTON, W. W.; MCWHINNEY, I. R.; McWILLIAM, C. L.; FREEMAN, T. R. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. Tradução de Anelise Teixeira Burmeister. Porto Alegre: Artmed, 2010.

TRAVASSOS, C.; MARTINS, M. Uma Revisão Sobre os Conceitos de Acesso e Utilização de Serviços de Saúde. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, Sup 2, p. S190-S196, 2004.

TURATO, Egberto Ribeiro. Tratado de Metodologia da Pesquisa Clínico-qualitativa. Petrópolis Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013. p 262.

VILLELA, W. V.; ARAÚJO, E. C.; RIBEIRO, S. A.; CUGINOTTI, A. P.; HAYANA, E. T.; BRITO, F. C.; RAMOS, L. R. Desafios da atenção básica em saúde: a experiência de Vila Mariana, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. v. 25, n.6, p.1317-1320, 2009.

Published

2020-08-18

How to Cite

de Lemos, R. S., Acioli, M. D., Beltrão, A. B., Siqueira, J. O. do A., de Santana, M. R., de Brito, P. C. S., & Cantarelli, L. C. (2020). Compreensão popular dos problemas de saúde de duas comunidades adscritas às unidades básicas de saúde do município de Olinda / Popular understanding of the health problems of two communities ascribed to the primary healthcare units of the municipality of Olinda. Brazilian Journal of Development, 6(8), 58412–58427. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-305

Issue

Section

Original Papers