Tecnologias assistivas na comunicação de pacientes com deficiência auditiva em serviços de saúde no Brasil / Assistive technologies in communicating patients with hearing disabilities in health services in Brazil

Authors

  • Renato Sarmento dos Reis Moreno
  • Nayla Cristina Santiago Silva
  • Vinicius Soares Oliveira
  • Josivaldo Godoy da Silva

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-281

Keywords:

Surdez, LIBRAS, Comunicação, Atendimento Especializado.

Abstract

As pessoas com deficiência auditiva enfrentam vulnerabilidades sociais relacionadas ao baixo nível socioeconômico e de escolaridade. Esses grupos lidam com barreiras para o acesso a condições de vida digna e pela busca de assistência em saúde. Somado a isso, possuem dificuldades para estabelecer uma comunicação efetiva com o restante da população. Dessa forma, a implementação da disciplina de LIBRAS nos currículos de cursos de graduação assume papel fundamental na construção da cidadania e ampara a criação de práticas que celebram a diversidade e a valorização humana. Compactua nos propósitos de educar para a construção de uma sociedade alicerçada na agregação de pessoas que incorporem o conceito da diversidade cultural e permite a acessibilidade dos surdos aos bens culturais da nação mediada por meio da disciplina de LIBRAS. A implementação da disciplina de LIBRAS para os cursos de graduação na área da saúde foi um grande avanço para a melhoria dos atendimentos à pessoa com deficiência auditiva nos estabelecimentos de saúde, porém, nota-se a necessidade de aprofundar as discussões ao redor das tecnologias assistivas como ferramenta para aproximar os currículos formadores das reais necessidades da população que convive com a deficiência auditiva.

 

 

References

ÁFIO, Aline Cruz Esmeraldo. Tecnologia assistiva para educação de surdos sobre saúde sexual e uso do preservativo. Fortaleza, f. 100, 2019. Tese (Pós-Graduação em Enfermagem). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

______. Construção de tecnologia assistiva para surdos sobre o uso dos preservativos. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem. Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Fortaleza, 2015.

ALMEIDA, Marcony Silva; FERREIRA, Claudio Pavão; DO NASCIMENTO, Juscelino Francisco. Libras e Língua Portuguesa: o aluno surdo e as práticas educativas com base no Decreto 5.526/2005. Web Revista Sociodialeto, v. 10, n. 28, p. 53-65, 2019.

ALMEIDA, M.C.; TISSI, M.C.; OLIVER, F.C. Deficiência e atenção primária em saúde: do conhecimento à invenção. Revista Terapia Ocupacional. Universidade de São Paulo, v.11, n.1, p.33-42, 2000.

ARAÚJO, C.C.J; COURA, A.S.; FRANÇA, L.S.X.; ARAÚJO, A.K.F; MEDEIROS, K.K.A.S. Consulta de Enfermagem às pessoas surdas: uma análise contextual. ABCS Health Scienc. V. 40, n.1, p. 38-44, 2015

AUGUSTO, Silva Filipe; RIBEIRO Brasil Deilton. Direito das pessoas com deficiência à educação como um direito fundamental e humano. Prisma Jurídico, v. 18, n. 2, 2019.

BARBOZA, CLÉVIA FERNANDA SIES. Acessibilidade da comunidade surda a informações sobre doenças epidêmicas ou prevalentes no Brasil: divulgação on-line para proteção à saúde e cidadania. Rio de Janeiro, RJ, f. 126, 2019. Tese (Pós-Graduação em Ensino, Biociências e Saúde). Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais — Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília: Ministério da Educação, 2002.

BRASIL. Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004. Institui a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Brasília: DF, 2004a

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2002. Regulamenta a lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais — Libras, e o art. 18 da lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília: Ministério da Educação, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Sexual e Reprodutiva. Brasília: DF, 2010a. 299 p.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência no Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRITTO, F. R, SAMPERIZ, M. M. F. Dificuldades de comunicação e estratégias utilizadas pelos enfermeiros e sua equipe na assistência ao deficiente auditivo. Einstein, São Paulo, v. 8, n. 1, p.80-85, jan./mar. 2010.

CARNIEL, FAGNER. A reviravolta discursiva da Libras na educação superior. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018.

CARVALHO, L.V.; ÁFIO, A.C.E.; ROFRIGUES JÚNIOR, J.C.; REBOUÇAS, C.B.; PAGLIUCA, L.M.F. Advances in Health Promotion for People with Disabilities and the Laws of Brazil. Health, v.6, n.18, p.2365-74, Oct. 2014.

CHAVEIRO, N.; BARBOSA, M. A. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 417-422, 2005.

CHAVEIRO, N.; BARBOSA, M. A.; PORTO, C. C. Revisão de literatura sobre o atendimento ao paciente surdo pelos profissionais da saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 578-583, 2008.

CHAVEIRO, N. Relação do paciente surdo com o médico. Revista Bras. Otorri. [online], vol.75 nº.1, pp. 147-150, 2009.

Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (FENEIS). LIBRAS: Língua Brasileira de Sinais.

FREITAS, A.F.; SEIDL, E.M.F. Study on heteronomy in the health care to children and adolescents with special needs. Revista Bioética, Brasília, v. 19, n. 1, p. 119-140, 2011.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior 2011. Brasília: Inep, 2012.

KUENBURG, A, FELLINGER, P, FELLINGER, J. Health care access among deaf people. J Deaf Stud Deaf Educ. 2016;21(1):1-10.

GALINDO-NETO, Nelson Miguel et al . Construção e validação de vídeo educativo para surdos acerca da ressuscitação cardiopulmonar. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 27, e3130, 2019 .

GOVERNO FEDERAL DO BRASIL. Decreto Nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Presidência da República Casa Civil. [Online] disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm.

INSTUTUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Cartilha do Censo 2010 - Pessoas com Deficiência. Brasília: República Federativa do Brasil, 2010.

LACERDA, A.; VALLA, V.V. As práticas terapêuticas de cuidado integral à saúde como proposta para aliviar o sofrimento. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R.A. (Orgs.). Cuidado: as fronteiras da integralidade. 3.ed. Rio de Janeiro: Cepesc/UERJ, Abrasco, 2006. p.91-102.

LEBEDEFF, T.B. Aprendendo a ler “com outros olhos”: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação, Pelotas, v.36, p.175- 95, Maio/Ago. 2010.

LEITE, S. S. Construção do roteiro do vídeo educativo para pessoas surdas sobre o uso do coito interrompido. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará. Pós – graduação em Enfermagem. Fortaleza/Ce, 2017.

LESSA, R.T.C, ANDRADE, E.G.S. Libras e o atendimento ao cliente surdo no âmbito da saúde. Rev. Cient. Sena Aires. 2016; 5(2): 95-104.

LINDSAY, G.J.; NAKAJI,M.; HARRY, K.M.; GALLEGOS, N.; MALCARNE, V.L.; SADLER, G.R. Ovarian Cancer: Deaf and Hearing Women’s Knowledge Before and After an Educational Video. Journal of Cancer Education,v. 28, n.4, p. 647-55, Dec. 2013

LUIZ, C. B. L, AZEVEDO, M. F de. Potencial evocado auditivo de estado estável em crianças e adolescentes com perda auditiva neurossensorial de grau severo e profundo e descendente. Audiol. Commun. Res., São Paulo, v. 19, n. 3, p. 286-292, set. 2014.

MARZOLLA AC. Atendimento psicanalítico do paciente com surdez. São Paulo: Zagodoni, 2012.

MELCHIOR, C. K. al. Avaliação do equilíbrio de crianças com deficiência auditiva por meio da escala de desenvolvimento motor. Rev. Ter. Man, Londrina, v. 7, n. 32, p. 270-277, jul/ago. 2009.

MENDES, Núbia Flávia Oliveira. Informações centrais de medicamento em Libras: Tradução comentada para instituir o direito e o acesso linguístico dos surdos na área da saúde. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós Graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis, 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Especial. Educação Especial: Deficiência Auditiva. Brasília: MEC/SEEP, 1994.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos. 2. ed. Coordenação geral: SEESP/MEC. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

MONDELLI MFCG, SILVA LSL. Perfil dos pacientes atendidos em um sistema de alta complexidade. Int Arq Otorrinolaringol. 2011.

OLIVEIRA, A. et al. A comunicação no contexto do acolhimento em uma unidade de saúde da família de São Carlos, SP. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v.12, n.27, p. 749-762, 2008.

OLIVEIRA, Y.C.A, COSTA, G.M.C, COURA, A.S, CARTAXO,R.O, FRANÇA, I.S.X. A língua brasileira de sinais na formação dos profissionais de Enfermagem, Fisioterapia e Odontologia no estado da Paraíba, Brasil. Revista Comunicação Saúde Educação. 2012;16(43): 995-1008.

OLIVEIRA, Y.C.A, CELINO, S.D.M, COSTA, G.M.C. Comunicação como ferramenta essencial para assistência à saúde dos surdos. Physis, Rio de Janeiro , v. 25, n. 1, p. 307-320, Mar. 2015.

OLIVEIRA, Herina Rodrigues de; LOPES, Keylla Silva; PINTO, Neila Maria de Morais. Percepção da equipe de enfermagem acerca da assistência prestada ao deficiente auditivo. Enfermagem Integrada, Ipatinga, v. 2, n. 1, p.165-175, jul. 2009.

OTHERO, M.B.; AYRES, J.R.C.M. Healthcare needs of people with disabilities: subjects’ perspectives through their life histories. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.16, n.40, p.219-33, jan./mar. 2012.

PAGLIUCA, L. M. F.; FIUZA, N. L. G.; REBOUÇAS, C. B. de A. Aspectos da Comunicação da Enfermeira com o Deficiente Auditivo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n. 3, set. 2007.

PAIVA, Juliana Cavalcante Marinho; BENDASSOLLIL, Pedro F. Políticas sociais de inclusão social para pessoas com deficiência. Psicologia em Revista, v. 23, n. 1, p. 418-429, 2017.

PIRES, H.F, TIGRE ALMEIDA, M.A.P. A PERCEPÇÃO DO SURDO SOBRE O ATENDIMENTO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE. Rev. Enf. Cont, [S.l.], v. 5, n. 1, ago. 2016.

PLACHEVSKI , Marcelo Sodré. Sistema de Tecnologia Assistiva para Captar a Atenção de Deficientes Auditivos e Surdos. Limeira, Sp, 2014. Dissertação(Mestrado em Tecnologia) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Tecnologia, Limeira, Sp, 2014. Disponível em:http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/267721/1/Plachevski_MarceloSodre_M.pdf. Acesso em: 13 Jun. 2020.

PORTAL DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Declaração de Salamanca. Disponível em: portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/txt/salamanca.txt.

ROSA, C. G.; BARBOSA, M. A.; BACHION, M. M. Comunicação da equipe de enfermagem com deficiente auditivo com surdez severa: um estudo exploratório. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 2, n. 3, jul./dez. 2000.

SALVADOR, P.T.C.O.; OLIVEIRA, R.K.M.; COSTA, T.D.; SANTOS, V.E.P.; TOURINHO, F.S.V. Tecnologia e inovação para o cuidado em enfermagem. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.20, n.1, p.111-7, Jan/Mar.2012.

SANTOS, Angela Nediane dos et al. Educação de surdos no Brasil e Portugal: políticas de reconhecimento linguístico, bilinguismo e formação docente. Educação e Pesquisa, v. 43, n. 1, p. 216-228, 2017.

SERON, B.B.; INTERDONATO, G.C.; LUIZ JÚNIOR, C.C.; GREGUOL, M.Prática de atividade física habitual entre adolescentes com deficiência visual. RevBrasEducFís Esporte, v.26, n.1, p.231-39. 2012.

SILVA, M. J, CAMBOIM, F. E.F, NUNES, E.M, LIMA, A.K.B.S. Acolhimento e atendimento a pessoas com deficiência na atenção básica: análise das dificuldades apontadas pelos profissionais de Saúde. Temas em Saúde, João Pessoa, v.17, n.3, p.293-309, 2017.

SILVA, Ivani Rodrigues; FAVORITO, Wilma. Reflexões sobre o Estatuto das Línguas nos Contextos Bi-multilíngues de Educação para Surdos no Brasil. Línguas & Letras, v. 19, n. 44, p. 10-5935/1981-4755.20180030, 2018.

SOARES, A. V. A contribuição visual para o controle postural. Revista Neurocienc, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 370-379, 2010.

SOUZA, M. T.; PORROZZI, R. Ensino de Libras para os Profissionais de Saúde: Uma Necessidade Premente. Revista Práxis. Volta Redonda, v. 1, n. 2, p. 43-46, 2009.

STROBEL, K. L. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. 2008. 176 p. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SUTTON-SPENCE, Rachel et al. Os craques da Libras: a importância de um festival de folclore sinalizado. Revista Sinalizar, v. 1, n. 1, p. 78-92, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION [WHO. World report on disability.2011. (pp. 323-­?325).WHO: Malta.

Published

2020-08-17

How to Cite

Reis Moreno, R. S. dos, Santiago Silva, N. C., Oliveira, V. S., & da Silva, J. G. (2020). Tecnologias assistivas na comunicação de pacientes com deficiência auditiva em serviços de saúde no Brasil / Assistive technologies in communicating patients with hearing disabilities in health services in Brazil. Brazilian Journal of Development, 6(8), 58079–58101. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-281

Issue

Section

Original Papers