Métodos de homogeneização e obtenção de amostras de trabalho em laboratório de análise de sementes causam danos a qualidade fisiológica de sementes de soja? / Do methods of homogenization and obtaining work samples in a seed analysis laboratory damage the physiological quality of soybean seeds?

Authors

  • Norma Schlickmann Lazaretti Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Antonio Carlos Torres da Costa
  • José Barbosa Duarte Júnior
  • Maria de Fatima Zorato

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-127

Keywords:

Glycine max, dano mecânico, exsudados, laboratório de análise de sementes.

Abstract

O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito dos métodos utilizados na homogeneização e obtenção de amostras de trabalho, e o teor de água das sementes sobre a qualidade fisiológica da soja, em laboratório de análises de sementes. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 3x3x3, sendo três métodos de homogeneização, três teores de água nas sementes e três cultivares de soja, totalizando 27 tratamentos. As variáveis avaliadas foram a germinação, emergência em areia, condutividade elétrica, dano mecânico subclasse 4-5 (DM 4-5), vigor e viabilidade no teste de tetrazólio. A histerese possibilita às sementes a elevação ou diminuição do teor de água, de acordo com as condições ambientais. Dependendo do teor de água presente nas sementes, o dano mecânico pode ter maior ou menor extensão e severidade, de acordo com o equipamento que é utilizado para a homogeneização de obtenção das amostras de trabalho em laboratórios de análises de sementes. Resultados obtidos na condutividade elétrica, nas três cultivares, indicam que as sementes mais secas têm maiores dificuldades para reorganização da membrana celular e liberam mais exsudados na solução. Nas condições deste experimento, foi possível concluir que o divisor centrífugo tipo Gamet utilizado para obtenção das amostras de trabalho, em laboratórios de análises de sementes, ocasiona dano mecânico e influencia negativamente na qualidade fisiológica das sementes de soja.

 

 

References

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/arquivos-publicacoes-insumos/2946_regras_analise__sementes.pdf. Acesso em 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 45, 17 de setembro de 2013. Diário Oficial da República Federativa do BRASIL, Brasília, 20 set. 2013, Seção 1, p. 16. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumos-agricolas/sementes-e-mudas/publicacoes-sementes-e-mudas/copy_of_INN45de17desetembrode2013.pdf. Acesso em 22 de outubro de 2019.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção. 5ª ed. Funep. Jaboticabal, 2012. 590 p.

CONAB. Acompanhamento da safra Brasileira de grãos. v. 6. Safra 2018/19 - Décimo levantamento, Brasília, p. 1-109. Julho de 2019. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos. Acesso em 14 de julho de 2020.

FERREIRA, A. G.; BORGUETTI, F. Germinação do básico ao aplicado. 1ª ed. Artmed. Porto Alegre, 2004.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia. V.38, n.2. 2014.

FERREIRA PINTO, T. L.; MONDO, V. H. V.; GOMES-JÚNIOR, F. G.; CICERO, S. M. Análise de imagens na avaliação de danos mecânicos em sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Tropical. v 42, n. 3, p. 310-316, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pat/v42n3/a09v42n3.pdf. Acesso em 14 de setembro de 2019.

FESSEL, S. A. ; SADER, R. ; PAULA, R. C. ; GALLI, J. A. Avaliação da qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de milho durante o beneficiamento. Revista Brasileira de Sementes, v. 25, nº 2, p.70-76, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31222003000400010. Acesso em 14 de setembro de 2019.

FRANÇA NETO, J. B.; HENNING, A. A. Qualidade fisiológica da semente. Circular Técnica, 9. Embrapa Soja. Londrina, 1984.

FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C. Metodologia do teste de tetrazólio em semente de soja. Documento 406. Embrapa Soja. Londrina, 2018. 108p.

LOPES, A. C. A.; NASCIMENTO, W. M. Amostragem de sementes para análise em laboratório. Circular Técnica 81. Embrapa Hortaliças. Brasília, 2009. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/783063/amostragem-de-sementes-para-analise-em-laboratorio. Acesso em 18 de setembro de 2019.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2ª ed. Londrina, PR. ABRATES, 2015. 660p.

PESKE, S.T.; VILLELA, F.A.; MENEGHELLO, G.E. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 3ª ed., Pelotas: Ed. Universitária / UFPEL, p.69-87. 2012.

POPINIGIS, F. Fisiologia de sementes. 2ª ed. Brasília, DF: AGIPLAN, 1985. 289p.

QUIRINO, J. R. Avaliação de equipamentos e preparo de amostras para classificação de grãos de soja. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias – Agronomia) - Instituto Federal Goiano, Campus Rio Verde. Rio Verde, 2017. Disponível em: https://docplayer.com.br/75511505-Avaliacao-de-equipamentos-e-preparo-de-amostras-para-a-classificacao-de-graos-de-soja.html. Acesso em 19 de agosto de 2019.

SILVA, M. G.; ALMEIDA, T. L.; SCHEUNEMANN, L. C.; SILVA, R. N. O.; PANOZZO, L. E. Qualidade fisiológica de sementes de soja com diferentes teores iniciais de umidade. Enciclopédia Biosfera, v.13 n.23; p. 1695 à 1704. 2016. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2016a/agrarias/qualidade%20fisiologica.pdf. Acesso em 24 de novembro de 2019.

SHELAR, V. R.; SHAIKH, R.S.; NIKAN, A.S. Role of mechanical damage in deterioration of soybean seed quality during storage–a review. Agricultural Reviews, v. 29, p. 177-184, 2008. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/Role-of-mechanical-damage-in-deterioration-of-seed-Shelar/e6381f55655869c653a72efcf119bae96e9fa60e. Acesso 21 de setembro de 2019.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I. M.; MURPHY, A. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. 858 p.

TILLMANN, M. A. A.; MIRANDA, D. M. Análise de sementes. Módulo 4. In: Curso de ciência e tecnologia de sementes. Brasília, DF: ABEAS; Pelotas, RS: Universidade Federal de Pelotas / Departamento de Fitotecnia, 2007. 102p.

VIEIRA, R.D.; KRZYZANOWSKI, F.C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA-NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p.4.1-4.26.

VIEIRA, R. D.; PENARIOL, A. L.; PERECIN, D.; PANOBIANCO, M. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira. v. 37, n. 9, p. 1333-1338, 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/26350690_Condutividade_eletrica_e_teor_de_agua_inicial_das_sementes_de_soja. Acesso em 25 de outubro de 2019.

ZAGUI, G.; NERES, D. C. de C. Danos mecânicos e qualidade fisiológica no beneficiamento de sementes de soja, TMG 1180 RR. Connectionline n.18, p. 118-132. 2018. Disponível em: https://www.periodicos.univag.com.br/index.php/CONNECTIONLINE/article/view/825. Acesso 24 de outubro de 2019.

ZORATO, M. F. Teste de tetrazólio modificado. Revista Seed News, Ano V, nº 4, p. 21, 2001.

Published

2020-08-12

How to Cite

Lazaretti, N. S., Costa, A. C. T. da, Júnior, J. B. D., & Zorato, M. de F. (2020). Métodos de homogeneização e obtenção de amostras de trabalho em laboratório de análise de sementes causam danos a qualidade fisiológica de sementes de soja? / Do methods of homogenization and obtaining work samples in a seed analysis laboratory damage the physiological quality of soybean seeds?. Brazilian Journal of Development, 6(8), 55919–55931. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-127

Issue

Section

Original Papers