Desvelando a judicialização do direito à moradia: O caso da ocupação união na perspectiva da assessoria jurídica universitária popular / Disclosing the judicialization of the right to housing: The case of the occupation union in the perspective of the popular university legal advice

Authors

  • Alcemar Rosa Júnior
  • Franciele Bonoldi
  • Jade dos Santos Alves
  • Letícia Bettio
  • Leticia Casagrande Dupont
  • Marjorie Cavalli Renner
  • Mateus Cavalcante de França
  • Pedro Porto dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-004

Keywords:

Regularização fundiária, direito à moradia, judicialização de conflitos fundiários, assentamentos informais, assessoria jurídica popular.

Abstract

A irregularidade é um fenômeno marcante do cenário urbano brasileiro. Várias famílias, sem acesso à habitação formal, recorrem à ocupação de terras vacantes para buscar seu direito à moradia. Esse é o caso da Vila União, assentamento irregular localizado em Porto Alegre, que busca, com apoio do Grupo de Assessoria Popular (GAP) do Serviço de Assessoria Jurídica Universitária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sua regularização fundiária. O presente artigo se propõe a analisar a efetividade da judicialização dos conflitos fundiários, a partir da perspectiva do caso da Vila União, que é acompanhado pelo grupo de assessoria popular há pelo menos 04 (quatro) anos. Indaga-se se apenas a judicialização do conflito fundiário seria capaz de suprir as demandas e lacunas referentes ao exercício do direito a moradia no caso de assentamentos informais.

References

Lei Orgânica de 1892 - procura regular o serviço de higiene municipal -, “Código de Posturas Municipaes sobre Hygiene” - 1909 -, e o “Regulamento Geral sobre Construcções” – 1913

Barão Haussmann foi responsável pela reforma urbana, determinada por Napoleão III, que constituiu um projeto de modernização e embelezamento político e estratégico de Paris; pretendia, pretendia, além de tornar a cidade mais bela e imponente, cessar com as barricadas, insurreições e combates populares muito recorrentes na época.

SOUZA SANTOS, Boaventura - Uma cartografia simbólica das representações sociais: Prolegômenos a uma concepção pós-moderna do Direito, in Revista Brasileira de Ciências Criminais, nº 13, janeiro-março 1996, Editora Revista dos Tribunais, 1996, pgs. 259-260, 272.

BRASIL, Lei nº 982, de 19 de dezembro de 1952

O Departamento Municipal de Habitação (DEMHAB), é a autarquia responsável por desenvolver a gestão da política habitacional de interesse social do Município, criado em 1949 Atualmente desenvolve três eixos de atuação: regularização urbanística e fundiária, reassentamento e produção habitacional e cooperativismo habitacional e de trabalho.

Art. 182 - A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes.

MARQUES, Eduardo C. L. Em busca de um objeto esquecido. A política e as políticas do urbano no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 95, 2017

MARQUES, Eduardo C. L. Em busca de um objeto esquecido. A política e as políticas do urbano no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 95, 2017

BONDUKI, N. Poli?tica habitacional e inclusa?o social no Brasil: revisa?o histo?rica e novas perspectivas no governo Lula. Revista eletro?nica de Arquitetura e Urbanismo, n. 1, p. 70–104, 2008.

HEIDRICH, A?lvaro Luiz; SOUZA, Amanda Cristina Bahi de; TEIXEIRA, Christiano Corre?a; SOARES, Paulo Roberto Rodrigues; RATHMANN, Mari?lia Guimara?es; AGUIAR, Rodrigo Costa de. A ocupac?a?o irregular como estrate?gia de conquista da cidade. Enfoque sobre os aspectos territoriais do problema em Porto Alegre. In: HEIDRICH, A?lvaro L.; SOARES, Paulo R. R.;

TARTARUGA, Iva?n G. P.; MAMMARELLA, Rosetta (orgs.). Estruturas e dina?micas socioespaciais urbanas no Rio Grande do Sul: transformac?o?es em tempos de globalizac?a?o (1991-2010). Porto Alegre: Editora Letra1, 2016, p. 229-258.

A propriedade está em nome da empresa imobiliária de Vanderly Córdova, chamada Ly Cordova Negócios Imobiliários.

A ação Nº 1.14.0226459-4 foi ajuizada no Foro Regional da Tristeza do Estado do Rio Grande do Sul.

Tal sentimento fica evidente tanto nas manifestações processuais do Loteamento quanto nos discursos de seus moradores durante as audiências e encontros informais.

Uma condição essencial para regularização da área, de acordo com os anexos 8 e 9 do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental (PDDUA) de Porto Alegre.

Os procedimentos no CEJUSC-RS são direcionados a conflitos fundiários urbanos e normalmente conduzidos por um juiz único, com a presença de representantes do Ministério Público, Defensoria Pública especializada em assuntos de moradia, e representantes da Administração Pública Municipal. O CEJUSC já é objeto de estudo e críticas frequente por membros de movimentos sociais e por pesquisadores de diferentes áreas de estudo, que questionam a neutralidade e adequação de tais procedimentos (AZEVEDO, MOROSO, 2017).

Uma das principais críticas diz respeito à alegada neutralidade e equilíbrio de forças entre as partes envolvidas em processos desse tipo que são selecionados para o projeto (FAGANELLO, 2017).

“A educação é comunicação, é diálogo, na medida em que não é a transferência de saber, mas um encontro de sujeitos interlocutores que buscam a significação dos significados”. FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983, p. 46.

ALFONSIN, Jacques Távora. Assessoria jurídica popular: breve apontamento sobre sua necessidade, limites e perspectivas. 1998. Disponível em: <https://najup.files.wordpress.com/2008/08/1-assessoria-jurydica-popular-breve-apontamento-sobre-sua-necessidade-limites-e-perspectivas.pdf>. Acesso em: 4 jul. 2019.

OLIVEIRA, Assis da Costa. Assessoria jurídica universitária popular: bases comuns para rumos diferentes. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 110-126, 31 dez. 2010. p. 117

Idem, p. 113.

TELLES, Aline Lovatto; BALDISSERA, Aline; FONTANA, Bernardo. Assessoria jurídica popular: forma alternativa de promoção do acesso à justiça e de superação do hiato entre operadores do Direito e comunidade. Revista do SAJU, Porto Alegre, v. 5, p. 135-144, 2006. p. 135.

LIMA, Thiago Arruda Queiroz. A Assessoria Jurídica Popular como aprofundamento (e opção) do conteúdo político do serviço jurídico. In: ENCONTRO REGIONAL DE ESTUDANTES DE DIREITO, 21., 2008, Crato. XXI Encontro Regional de Estudantes de Direito e Encontro Regional de Assessoria Jurídica Universitária: 20 anos de Constituição. Parabéns! Por quê?. Crato: Fundação Araripe, 2008. Grifo do autor.

KONZEN, Lucas Pizzolatto (Org.). Projeto Abrigando a Cidadania: a assessoria jurídica popular e os desafios da efetividade. In: ABRÃO, Paulo; TORELLY, Marcelo (Org.). Assessoria jurídica popular: leituras fundamentais e novos debates. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009. p. 191-206. p. 198.

OLIVEIRA, ibidem, p. 120.

NUNES, Ana Lucia de Paula Ferreira; SILVA, Maria Batista da Cruz. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-estar e Sociedade, Barbacena, v. 4, n. 7, p. 119-133, jul./dez. 2011.

Ibidem, p. 48.

Ibidem.

NUNES, ibidem, p. 125-126.

BERNI, Paulo Eduardo de Oliveira; KONZEN, Lucas Pizzolatto. Direito na primeira pessoa do plural: fazendo extensão nas vilas de Porto Alegre. Revista do SAJU, Porto Alegre, n. 5, p. 124-134, 2006. p. 134.

Ibidem, p. 45.

Idem, p. 45.

MONNET, Jérôme. L’Amérique Latine. In: PAQUOT, Thierry (Org.). Le monde des villes: Panorama urbain de la planète. Bruxelas (Bélgica): Editions Complexe, 1996. p. 271-302. p. 294.

TEIXEIRA, Alessandra; SILVA, Eliane Alves da. Conflitos fundiários urbanos e sistema de justiça: judicialização da política ou politização da justiça?. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 21, n. 1, p. 124-144, jul./dez. 2016. p. 128.

MILANO, Giovanna Bonilha. Conflitos fundiários urbanos e poder judiciário: decisões jurisdicionais na produção da segregação socioespacial. 250 f. Tese (Doutorado) - Curso de Direito, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. p. 115.

TEIXEIRA; SILVA, ibidem, p. 130.

Idem, p. 134-135.

Idem.

Ibidem.

TEIXEIRA; SILVA, ibidem, p. 148.

Ver relatos de mediação de conflitos fundiários via Cejusc em: MULLER, Cristiano; AZEVEDO, Karla Fabrícia Moroso Santos de. (orgs.) Experiências de mediação de conflitos fundiários no Brasil. Porto Alegre: CDES Direitos Humanos, 2017.

Published

2020-08-04

How to Cite

Júnior, A. R., Bonoldi, F., Alves, J. dos S., Bettio, L., Dupont, L. C., Renner, M. C., França, M. C. de, & Santos, P. P. dos. (2020). Desvelando a judicialização do direito à moradia: O caso da ocupação união na perspectiva da assessoria jurídica universitária popular / Disclosing the judicialization of the right to housing: The case of the occupation union in the perspective of the popular university legal advice. Brazilian Journal of Development, 6(8), 54234–54254. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-004

Issue

Section

Original Papers