Prevalência de sintomas de depressão em estudantes de medicina de um centro universitário no interior do estado de São Paulo

Authors

  • André Luis Bernuzzi Leopoldino
  • Viviane Rodrigues Esperandim

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv6n6-087

Keywords:

estudantes de medicina, depressão, ansiedade, estresse, escola médica

Abstract

Há décadas se reconhece que a depressão é uma doença global, cujos sintomas trazem várias consequências negativas e incapacitantes para as pessoas e a sociedade como um todo. Todavia, a ansiedade, a depressão e o estresse entre estudantes do curso de Medicina tem sido uma condição cada vez mais prevalente, que se tornou foco de atenção e motivo de preocupação entre os especialistas da área de saúde. O ensino médico expõe os acadêmicos a cargas de exigência, tornando-os potencialmente vulneráveis a distúrbios emocionais, ou seja, torna a faculdade de medicina um ambiente hostil e temido por parte dos estudantes, principalmente os que já tem algum gatilho pessoal e/ou familiar de quadros depressivos (JUNIOR, 2022). Diante disso, este estudo teve como objetivo identificar possíveis suspeitas de depressão entre estudantes de Medicina de um Centro Universitário no Interior do Estado de São Paulo. Trata-se de um estudo transversal, com abordagem quantitativa do tipo levantamento de dados. Todos os alunos de cada semestre letivo do curso de medicina foram convidados a participar do estudo, sendo que 150 pessoas aceitaram preencher o formulário. O levantamento quantitativo de sintomas depressivos na comunidade acadêmica foi coletado por meio de aplicação de um questionário disponibilizado na plataforma Google Forms. O questionário contou com um instrumento de rastreamento de sintomas depressivos chamado Inventário de Beck de depressão (BDI - II). Ao final, os dados foram analisados por meio de técnicas de análise descritiva como tabelas dinâmicas e gráficos. Os resultados encontrados foram comparados entre si usando as variáveis sexo, idade, semestre letivo, sintomas mais prevalentes e menos prevalentes. Os resultados obtidos indicam que o Centro Universitário pesquisado apresentou uma expressiva maioria de pessoas com nenhum ou mínimos sintomas de depressão em relação às que apresentam algum indício de sintoma depressivo (leve, moderado e severo). Esse fato é de extrema relevante, pois mostra que o ensino médico na universidade estudada demonstra um equilíbrio entre a cobrança acadêmica e as condições psicológicas de seus universitários.

References

AGUIAR, S.M. et al. Prevalência de sintomas de estresse nos estudantes de medicina. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Fortaleza, v. 58 (1), p. 34–38, jan. 2009.

ASSOCIATION, A. P. Diagnostic and Statitical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition-DSM 5. American Psychiatric Association, Arlington, 2013.

AQUINO, T.A.A. Atitudes e intenções de cometer suicídio: Seus correlatos existenciais e normativos. Monografia. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

AZEVEDO, A.J.P et al. Consumo de ansiolíticos benzodiazepínicos: uma correlação entre dados do SNGPC e indicadores sociodemográficos nas capitais brasileiras. Ciênc Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 21, p. 83-90, 2016.

BALDASSIN, S. et al. The characteristics of depressive symptoms in medical students during medical education and training: a cross-sectional study. BMC Med Educ [online], v. 8(60), 2008. http://www.biomedcentral.com/1472-6920/8/60. Acesso em: 01 mar 2022.

BECK, A.T. et al. Psychometric properties of the Beck Depression Inventory: twenty-five years of evaluation. Clin Psychol, Rev, v(1), p. 77-100, 1988.

BRESOLIN, J.C. et al. Estresse e depressão em estudantes universitários da saúde. Rev Rene, Rio de Janeiro, v 23, 2022.

CAREGNATO, M. et al. Aspectos psicométricos do Inventário Beck de Depressão-II e do Beck Atenção Primária em usuários do Facebook. J Bras Psiquiatr, Rio de Janeiro, v 68(2), p. 83-91, 2019.

CORREA, I.F.S. et al. Prevalência de sintomas de depressão em estudantes de medicina em uma instituição de ensino superior. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.5, p. 21484-21493, sep./oct. 2021.

FURTADO, E.D.S et al. Avaliação do estresse e das habilidades sociais na experiência acadêmica de estudantes de medicina de uma Universidade do Rio de Janeiro. Interação em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 43–51, 2003.

JUNIOR, S.B.J. et al. A formação médica e a precarização psíquica dos estudantes: uma revisão sistemática sobre o sofrimento mental no percurso dos futuros médicos. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 32 (4), 2022.

LEBLANC, V. et al. The relationship between coping styles, performance, and responses to stressful scenarios in police recruits. International Journal of Stress Management, v. 15, n. 1, p. 76–93, 2008.

LINZER, M. et al. Physician stress: results from the physician worklife study. Stress and Health, v. 18, n. 1, p. 37–42, 2002.

MOUTINHO, I.L. Estresse, ansiedade, depressão, qualidade de vida e uso de drogas ao longo da graduação em medicina: estudo longitudinal. Dissertação. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG, 2013.

SOUZA, M.N.A. et al. Transtornos emocionais em estudantes de medicina. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.1, p 2894-2905, jan./feb. 2021.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Depression and other common mental disorders: global health estimates. World Health Organization, 2017.

Published

2023-11-13

How to Cite

LEOPOLDINO, A. L. B.; ESPERANDIM, V. R. Prevalência de sintomas de depressão em estudantes de medicina de um centro universitário no interior do estado de São Paulo. Brazilian Journal of Health Review, [S. l.], v. 6, n. 6, p. 27637–27654, 2023. DOI: 10.34119/bjhrv6n6-087. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/64722. Acesso em: 2 mar. 2024.

Issue

Section

Original Papers