Tendências crescentes de taxas de incidência de Sífilis Gestacional e Sífilis Congênita e determinantes sociais no interior do estado do Ceara em maternidade de referência do Cariri

Authors

  • Cícera Luana Cruz Tavares
  • Bruna Kerolayni Leite Cesário
  • Isabelly de Oliveira Pinheiro
  • José Gilmar Sampaio Filho
  • Camila Grangeiro Fernandes
  • Allana Maria Garcia Sampaio Cruz

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv6n6-050

Keywords:

Sifilis, transmissão vertical, incidência

Abstract

Sifilis trata-se de uma doença de origem infecciosa causada por bacteria chamada Treponema pallidum, podendo ser transmitido via sexual e vertical. pode desencadear aborto espontâneo, malformações congênitas, natimorto ou morte perinatal em cerca de 40% das crianças infectadas (Brasil, 2021). A região Nordeste ocupa o segundo lugar no ranking das regiões com maior número de casos de sífilis em gestantes no país, sendo fundamental a intensificaçao de ações de vigilancia em saúde. O presente trabalho teve por objetivo analisar a incidência e o perfil epidemiológico e determinantes sociais da sífilis na gestação dessa população. Como metodologia utilizou-se abordagem quantitativa, realizada através da coleta dos dados fornecidos pela Vigilância Epidemiológica com as informações provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (Sinasc). A população do estudo foi co posta por todos os casos confirmados de sífilis gestacional e congênita no período de janeiro de 2021 a janeiro de 2023, notificados no interior do Ceará na macrorregião do CaririEvidenciou-se um crescimento significativo de sífilis gestacional, caracterizando a infecção em gestantes jovens, de baixa escolaridade, donas de casa e que residem na zona urbana, revelando a fragilidade da assistência pré-natal prestada às gestantes, através do diagnóstico tardio, tratamento inadequado e da não realização do tratamento do parceiro, sendo estes, pontos fundamentais para evitar a transmissão vertical.

References

ASSIS, K. C.; ASCOLI, A. M. B. Avaliação da assistência ao pré-natal nas equipes da Estratégia Saúde da Família no município de Cassilândia - MS. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 23, n. 2, p. 143-154, 2019.

Barbosa DRM, Almeida MGD, Silva AO, et al. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Rev. Enfer. UFPE. 2017; 11(5):1867-1874.

BERNARDI, L. E. et al. Pilot evaluation of a rapid immunochromatographic test for the diagnosis of gestational Syphilis. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Niterói, v. 29, n. 3, p. 106-109, 2017.

BENZAKEN, A. S. et al. HIV and syphilis in the context of community vulnerability among indigenous people in the Brazilian Amazon. International Journal for Equity in Health, London, v. 16, n. 92, p. 1-9, jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico - Sífilis. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Informativa n°02, de 19 de setembro de 2017. Altera os critérios de definição de casos para notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestantes e sífilis congênita, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação - Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. 5a ed. revisada – Brasília: Ministério da Saúde, 417 a 439 p.: il., 2022.

Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MDS, et al. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2018; (23):563 574.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Sexually Transmitted Diseases, Treatment Guidelines, 2015. Atlanta: CDC, 2015. Disponível em: http://www.cdc.gov/std/tg2015/>.

Geusau A, Kittler H, Hein U, et al. Biological false-positive tests comprise a high proportion of Venereal Disease Research Laboratory reactions in an analysis of 300,000 sera. Int J STD AIDS 2005; 16:722.

Gonçalves HC, Sousa TO, Sakae TM. Incidência de sífilis congênita no estado de Santa Catarina no ano de 2012. Arq. Catarinenses de Med. 2017; 46(2):15-25.

Hollier LM, Harstad TW, Sanchez PJ, et al. Fetal syphilis: clinical and laboratory characteristics. Obstet Gynecol 2001; 97:947.

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, et al. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad. Saúde Pública. 2013; (29):1109-1120.National Evidence-Based Clinical Guidelines. Antenatal care: routine care for the healthy pregnant woman. Disponível em www.rcog.org.uk/index.asp?PageID=693.

Newman L, Kamb M, Hawkes S, et al. Global estimates of syphilis in pregnancy and associated adverse outcomes: analysis of multinational antenatal surveillance data. PLoS Med 2013; 10:e1001396.

Pires ACS, Oliveira DD, Rocha GMNM, et al. "Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no Brasil da atualidade-Revisão de Literatura". Rev. UNINGÁ. 2018; 19(1):58-64.

Ramos MG, Boni SM. Prevalência da sífilis gestacional e congênita na população do

município de Maringá-PR. Saúde Pesq. 2018; 11(3):517-526.

Rogozińska E, Kara-Newton L, Zamora JR, Khan KS. On-site test to detect syphilis in pregnancy: a systematic review of test accuracy studies. BJOG 2017; 124:734.

Saraceni V, Domingues RMSM, VellozoV, et al. Vigilância da sífilis na gravidez. Epidemiol. Serv. Saúde. 2007; 16 (2):103-111.

Suto CSS, Silva DL, Almeida EDS, et al. Assistência pré-natal a gestante com diagnóstico

de sífilis. Rev Enferm Atenção Saúde. 2016; 5(2):18-33.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Department of Reproductive Health and Research. The global elimination of congenital syphilis: rationale and strategy for action. Geneva: WHO, 2007.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Investment case for eliminating mother-to- child transmission of syphilis: Promoting better maternal and child health and stronger health systems. Geneva: WHO, 2012.

Published

2023-11-08

How to Cite

TAVARES, C. L. C.; CESÁRIO, B. K. L.; PINHEIRO, I. de O.; SAMPAIO FILHO, J. G.; FERNANDES, C. G.; CRUZ, A. M. G. S. Tendências crescentes de taxas de incidência de Sífilis Gestacional e Sífilis Congênita e determinantes sociais no interior do estado do Ceara em maternidade de referência do Cariri. Brazilian Journal of Health Review, [S. l.], v. 6, n. 6, p. 27180–27190, 2023. DOI: 10.34119/bjhrv6n6-050. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/64587. Acesso em: 2 mar. 2024.

Issue

Section

Original Papers