Variação das taxas de cesariana no Piauí durante o período de 2015-2020

Authors

  • Andressa Ferreira de Oliveira Sousa
  • Camila Carvalho da Fonseca
  • Laura de Vasconcelos Eigenheer
  • André Luiz Eigenheer da Costa
  • Iuli Zambia Matos e Silva Costa

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv6n6-020

Keywords:

cesárea, nascimento vaginal após cesárea, saúde materno-infantil

Abstract

Atualmente o parto tem sido caracterizado como fenômeno que requer inúmeras intervenções médicas que menosprezam o protagonismo da mulher e esta por sua vez, é tendenciada pela cultura medicalicista e se vê tomada pelo medo deste evento desconhecido e mistificado. O que ocasiona muitas vezes que a mulher não escolha como irá ser seu parto deixando essa responsabilidade para a equipe do estabelecimento de saúde. O presente estudo tem como objetivo analisar a tendência da proporção de partos cesáreos e fatores associados no estado do Piauí no período de 2015-2020 segundo dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo com abordagem quantitativa, utilizando dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) e do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), disponíveis no site do Departamento de Informática do SUS (DATASUS) e gerenciados pelo Ministério da Saúde. Para realização deste estudo, foi selecionado o período de tempo de 2015-2020. Com relação a distribuição do número de partos por cesárea foi visto que com passar dos anos ocorreu um aumento progressivo no número de nascimentos por cesárea com um total de 159.695 partos que representou 55,6% do total de nascimentos sendo o ano de 2020 com a maior quantidade de partos por cesariana em relação ao número de nascimentos (n=26498; 58,60%). Existe uma dualidade no atual modelo de assistência ao parto no Brasil. O setor público, de um lado, é marcado pela maior frequência de partos vaginais, geralmente com pequeno controle da dor e mais intervenções desnecessárias. De outro lado, o setor privado exibe as cesáreas como o tipo de parto quase universal, com procedimentos convenientemente agendados, mais rápidos, defendidos como mais seguros que os partos vaginais. Se considerarmos que a cesárea é um procedimento essencial na assistência obstétrica, capaz de salvar a vida das gestantes e dos fetos quando indicada adequadamente, o debate sobre a igualdade de acesso à assistência ao parto deve ser centrado na oferta da cesárea para as mulheres que dela necessitarem.

References

ARAGÃO, J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista práxis. v.3, n.6, p.1-4, 2011.

ALMEIDA, L. C. G. B. S. et al. Incidência de cesarianas, suas indicações e a classificação de Robson em maternidades de alto risco de Alagoas. Research, Society and Development, v. 11, n. 5, p. e30311528272, 2022.

BOERMA, T. et al. Global epidemiology of use of and disparities in caesarean sections. Lancet. V.392, p. 1341-1348, 2018.

CHEN I, Opiyo N, Tavender E, et al. Non-clinical interventions for reducing unnecessary caesarean section. Cochrane Database Syst Rev., v.9, n.9, 2018.

DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO SUS. Nascidos vivos. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def (acessado em 10/Jun/2023).» http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def.

DIAS, B. A. S. et al. Variações das taxas de cesariana e cesariana recorrente no Brasil segundo idade gestacional ao nascer e tipo de hospital. Cadernos de Saúde Pública, v. 38, n. 6, p. e00073621, 2022.

DI TORO, F. et al. Impact of COVID-19 on maternal and neonatal outcomes: a systematic review and meta-analysis. Clin Microbiol Infect., v.27, n.1, p. 36-46, 2021.

HADLICH, L. E. R. et al. Análise do número de cesarianas realizadas em uma maternidade após a aprovação da lei no Estado do Paraná. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 12, p. e9415, dez. 2021.

HAGE-FRANSEN, M.A.H. et al. Pregnancy- and obstetric-related risk factors for urinary incontinence, fecal incontinence, or pelvic organ prolapse later in life: A systematic review and meta-analysis. Acta Obstet Gynecol Scand., v.100, n.3, p. 373-382, 2021.

MADEIRO, A. et al. Partos cesáreos no Piauí: tendência e fatores associados no período 2000-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online], v. 26, n. 1, p. 81-90, 2017.

OTANI, N.; FIALHO, F.A.P. TCC: métodos e técnicas. (2a ed.) Rev. atual. Visual Books, 2011.

PAULO, M. C. et al. Aplicabilidade da classificação de Robson na avaliação das cesarianas na Maternidade Escola de Valença -RJ.Revista Saber Digital, v. 14, n. 2, p. 56-68,2021.

SILVA, T.P.R. et al. Factors associated with normal and cesarean delivery in public and private maternity hospitals: a cross-sectional study. Rev Bras Enferm. , v.73, 2020.

Published

2023-11-01

How to Cite

SOUSA, A. F. de O.; DA FONSECA, C. C.; EIGENHEER, L. de V.; DA COSTA, A. L. E.; COSTA, I. Z. M. e S. Variação das taxas de cesariana no Piauí durante o período de 2015-2020. Brazilian Journal of Health Review, [S. l.], v. 6, n. 6, p. 26776–26785, 2023. DOI: 10.34119/bjhrv6n6-020. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/64434. Acesso em: 2 mar. 2024.

Issue

Section

Original Papers