Causas da queda progressiva das taxas de vacinação da poliomielite no Brasil / Causes of the progressive fall in polyomyelite vaccination rates in Brazil

Authors

  • Maria Angélica Eloi Franco Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Ana Carolina Rodrigues Alves
  • Júlia Carneiro Zago Gouvêa
  • Caroline Cunha Fernandes Carvalho
  • Frederico de Miranda Filho
  • Ana Marina Silva Lima
  • Karla de Oliveira Elesbão
  • Mateus Guilhardi Rosa e Silva

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-241

Keywords:

Poliomielite, Vacina, Infectologia, Epidemiologia.

Abstract

Introdução: A Poliomielite é uma doença infectocontagiosa que acomete indivíduos de qualquer faixa etária, com maior ocorrência, principalmente em crianças. Nos primeiros anos de vida, os indivíduos acometidos passam por episódios de internações longas e inúmeros procedimentos médicos, portanto, além do dano físico, há um enorme dano psicossocial gerado pelo isolamento, separação da família e amigos, sentimentos de abandono, desamparo, medo, entre outros. Mesmo após a reabilitação, ainda existem muitas dificuldades a serem enfrentadas por sua condição física e pela barreira social aos deficientes físicos. No Brasil, as coberturas vacinais municipais ainda são heterogêneas e isso possibilita a reintrodução do poliovírus selvagem (comprometendo o processo de certificação de eliminação). Desta forma, e? importante que autoridades, gestores e profissionais de saúde trabalhem para minimizar os riscos e a possibilidade de reintrodução do poliovírus no território brasileiro. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal com análise espacial da cobertura vacinal de Poliomielite no Brasil, em 2018 e correlação com as variáveis: escolaridade, IDH, assistência à saúde e acesso à internet. A coleta de dados foi realizada a partir do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Programa Nacional de Imunização (PNI), DataSUS, os limites espaciais obtidos por meio dos sites do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (LAPIG) e Pastagem. Os dados e limites espaciais foram tabulados e processados pelo programa Microsoft Office Excel 2010 e gerados os mapas, em formato Shapefiles (SHP), com auxílio do software ArcGis. Resultados: Nas regiões Norte e Nordeste as coberturas vacinais foram satisfatórias (acima de 95%). Nas demais regiões as coberturas foram insatisfatórias na faixa etária entre um ano e dois anos incompletos. As regiões que não atingiram as coberturas adequadas foram as que apresentam maior IDH, maior escolaridade e maior acesso à internet, conforme esperado. A assistência à saúde não apresentou relação direta com os resultados. Discussão: Em levantamento realizado sobre o monitoramento da cobertura vacinal para Poliomielite, entre 1990 e 2016, foi satisfatório, ou seja, acima de 95% da população alvo, a partir de então, se iniciou um declínio na adesão da população persistindo até os dias atuais. Podemos citar prováveis razões para a ocorrência da queda da vacinação: percepção enganosa de que esta não é necessária, uma vez que a doença desapareceu; desconhecimento do PNI; temor de reações adversas ou sobrecarga do sistema imunológico; falta de tempo dos cuidadores. A queda da cobertura vacinal pode trazer grandes consequências, como epidemias frequentes de doenças que são imunopreveníveis (a exemplo do que está ocorrendo com o sarampo), além do risco de uma reintrodução do vírus selvagem da Poliomielite em nosso país. Conclusão: É necessária a elaboração de estratégias que objetivem alcançar as metas de vacinação em todo o país através da conscientização da população em relação a alguns temas como: a disseminação, principalmente pela internet, de conteúdos não confiáveis contra a vacinação; a importância de uma boa cobertura vacinal para a sociedade; o risco de epidemias de doenças que já haviam sido erradicadas; e a confiabilidade das vacinas.

 

References

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde?: CONASS. Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS [Internet]. 2007. 278 p. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro6a.pdf

Paralytic poliomyelitis?: seasoned strategies , disappearing disease. 1961;1331–7.

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis B. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs [Internet]. 2014. Available from: http://editora.saude.gov.br

Saúde EM. Brasil. Ministerio da Saúde. Secretaria de Vigilancia em Saúde. Departamento de Vigilancia Epidemiologica. Acidentes por Animais Peçonhnetos. In: Guia de vigilância em saúde. Ministério. Brasilia: Ministério da Saúde. Ms. 2014;1:719–38.

Brasil. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Síndrome pòs-Poliomielite e Co-morbidades / Ministério da Saúde, Diretrizes de Atenção á Reabilitação com Síndrome Pós- Poliomelite e Co-comorbidades / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde,. 2016.

Bricks LF, Moraes JC de. Riscos da poliomielite para adolescentes e adultos na era da pré-erradicação global. Rev Pan-Amazônica Saúde. 2014;4(2):63–72.

Statement M. Post Polio Syndrome Management and Treatment in Primary Care. Building. 2007.

Edição N, Silva A, Atlanta CDC, Branco CMC, Fm F. Boletim Epidemiológico Paulista 117. 2013;14:3–24. Available from: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ccd/homepage/bepa/edicoes-2013/edicao_117_-_outubro_especial_carrapatos_parte_1.pdf

Eduardo MB de P. Vigilância Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas/Manutenção da Erradicação da Poliomielite – importância, atividades, rotinas, fluxos operacionais, avaliação e pactuação. 2007; Available from: ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/hidrica/doc/if_pfapolio.pdf

INFORME TÉCNICO CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE E O SARAMPO Santa Catarina , julho de 2018. 2018;

Ministerio-Saude. Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos E speciais. 2006. 188 p.

IBGE. Censo 2010: Síntese das das Etapas da da Pesquisa. 2010;27.

SISTEMA ESTADUAL DE GEOINFORMAÇÃO – SIEG 2017. Disponível em: http://www2.sieg.go.gov.br/post/ver/169642/geoprocessamento DATA DE ACESSO 07/03/2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INEP. Introdução à Ciência da Geoinformação. Ministério da Ciência e Tecnologia. NPE-10506-RPQ/249. São José dos Campos, 2001.

SATO APS. Qual a importância da hesitação vacinal na queda das coberturas vacinais no Brasil?? Rev Saude Publica. 2018;1–9.

Zorzetto R. Queda Na Vacinação. 2018;

Sousa CDJ, Vigo ZDL, Palmeira CS. Compreensão Dos Pais Acerca Da Importância Da Vacinação Infantil. Rev Enferm Contemp. 2015;1(1):44–58.

Vasconcellos-Silva PR, Castiel LD, Griep RH. A sociedade de risco midiatizada, o movimento antivacinação e o risco do autismo. Cien Saude Colet [Internet]. 2015;20(2):607–16. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000200607&lng=pt&tlng=pt

Shimizu NR. Revista do Edicc. Rev do EDICC - ISSN 2317-3815 [Internet]. 2018;5(5):87–97. Available from: http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/edicc/article/view/5963/7310

Published

2020-12-14

How to Cite

FRANCO, M. A. E.; ALVES, A. C. R.; GOUVÊA, J. C. Z.; CARVALHO, C. C. F.; FILHO, F. de M.; LIMA, A. M. S.; ELESBÃO, K. de O.; E SILVA, M. G. R. Causas da queda progressiva das taxas de vacinação da poliomielite no Brasil / Causes of the progressive fall in polyomyelite vaccination rates in Brazil. Brazilian Journal of Health Review, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 18476–18486, 2020. DOI: 10.34119/bjhrv3n6-241. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/21525. Acesso em: 23 apr. 2024.

Issue

Section

Original Papers