Aplicação de metodologias de recuperação de áreas degradadas nos biomas brasileiros/ Application of methodologies for degraded areas recovering in the Brazilian Biomes

Authors

  • Ana Beatriz Matos Rodrigues
  • Nathália Melo Giuliatti
  • Antônio Pereira Júnior

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n1-021

Keywords:

Técnicas de recuperação. Características locais. Fatores econômicos.

Abstract

As áreas alteradas e degradadas podem ser recuperadas de várias formas, todavia a escolha do método correto depende de vários fatores como, por exemplo a resiliência do solo. Dessa forma, esta pesquisa tem como objetivo identificar quais as metodologias de recuperação de áreas degradadas mais aplicadas em cada bioma brasileiro e verificar em quais casos elas foram utilizadas. O método de pesquisa utilizado foi a revisão bibliográfica com abordagem qualitativa. Para tal, foram acessados links com acesso livre como: Science Eletronic Library (SciELO); Coordenação de Pesquisa e Aperfeiçoamento do Ensino Superior (CAPES), periódicos e Google Scholar, observado recorte temporal entre 2009 e 2019, com exceção da legislação ambiental estudada. Os dados obtidos e analisados indicaram que, dentre as metodologias aplicadas nos cinco biomas analisados, o plantio de mudas ocorreu em três (60%) deles: Cerrado, Amazônia Legal e Pampa; assim como a semeadura direta (60%): Caatinga, Pantanal e Pampa. Dos biomas onde foram mais aplicados, o primeiro método foi o mais utilizado no Cerrado e na Amazônia Legal e o segundo na Caatinga e no Pantanal. Com isso percebe-se que as diferentes características locais (topografia, solo, vegetação e luminosidade) devem ser consideradas para a seleção das metodologias e técnicas de recuperação de áreas degradadas, além de verificar fatores econômicos, como o custo da aplicabilidade de cada técnica.

References

ALMEIDA, D. S. Recuperação Ambiental da Mata Atlântica. Ilhéus: Editus, 2016.

ANSOLIN, R. D. et al. Valoração ambiental em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do Rio Passaúna. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 17, n.1, p. 118-127, jan/mar. 2018.

AQUINO, F. G. et al. Módulos para recuperação de Cerrado com espécies nativas de uso múltiplo. Embrapa Cerrados: Documentos (INFOTECA-E), Planaltina, DF, p. 50, 2009. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/856158. Acesso em: 31 jan. 2019.

AZEVÊDO, S. M. A.; AZEVÊDO, M. A. A. Crescimento de plântulas de jurema preta (Mimosa tenuiflora (Wild) Poiret) em solos de áreas degradadas da caatinga. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, São Paulo, v. 9, n. 3, 2012. Disponível em: http://ferramentas.unipinhal.edu.br/engenhariaambiental/include/getdoc.php?id=2274&article=745&mode=pdf. Acesso em: 18 jan. 2019.

BACK, J. Avaliação de projetos de recuperação de áreas degradadas implantados na região do médio Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Revista Espacios, v. 38, n. 54, p. 10, 2017.

BAPTISTA, L. S. et al. Crescimento de espécies arbóreas em uma mata ciliar em recomposição. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO À PESQUISA DA EMBRAPA RONDÔNIA, 9., ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, 4., 2010, Porto Velho. Anais. Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2010. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1092951/1/AnaisEiper2018v4.pdf. Acesso em 29 jan. 2019.

BARBOSA, L. P. et al. Produção de mudas nativas para a recuperação de áreas degradadas às margens do rio Paraguai. Revista ELO–Diálogos em Extensão, Viçosa, MG, v. 2, n. 2, 2013.

BENDITO, B. P. C.; SOUZA, P. A. de; FERREIRA, R. Q. S.; CÂNDIDO, J. B.; SOUZA, P. B. Espécies do cerrado com potencial para recuperação de áreas degradadas, Gurupi (TO). Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, v. 10, n. 2, p. 99-110, jun. 2018.

BENINI, R. et al. Manual de Restauração da vegetação nativa, Alto Teles, MT. The Nature Conservancy, Alta Floresta, p. 114, 2016. Disponível em: https://www.nature.org/media/brasil/manual-restauracao-mt.pdf. Acesso em: 07 fev. 2019.

BEZERRA, W. F. Recuperação de área degradada em reserva legal: uma proposta de análise econômica à luz da teoria dos custos de oportunidade. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Ciências Contábeis) – Universidade Federal de Rondônia, Cacoal, RO, 2011.

BRANCALION, P. H. S. et al. Instrumentos legais podem contribuir para a restauração de florestas tropicais biodiversas. Revista Árvore, Viçosa, v. 34, n. 3, p. 455-470, 2010.

BRASIL (a). Decreto n. 3.420, de 22 de abril de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 2, 22 abr. 2000 .

_______ (b). Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 1, 19 jul. 2000.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 1, 05 out. 1988.

_______. Decreto n. 97.632, de 10 de abril de 1989. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 12 abr. 1989.

_______. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 1, 28 mai. 2012.

_______. Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 1, 13 fev. 1998.

_______. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 16509, 02 set. 1981.

CAVA, M. G. B. Restauração do cerrado: a influência das técnicas e de fatores ecológicos sobre o desenvolvimento inicial da comunidade lenhosa. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, São Paulo, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/115682. Acesso em: 29 jan. 2019.

CAVALCANTE. D. A.; WANDELLI, E. V. Superação da vegetação tampone da regeneração natural de pastagens degradadas pelo plantio adensado de arbóreas agroflorestais. In: JORNADA CIENTÍFICA DA EMBRAPA AMAZÔNIA OCIDENTAL, 7., 2010, Manaus, AM. Anais. Manaus: Embrapa Amazônia Ocidental, 2010. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/111390/1/VII-Jornada-IC-19-22-.pdf. Acesso em: 29 jan. 2019.

CHAZDON, R. Regeneração de florestas tropicais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, Belém, v. 7, n. 3, p. 195-218, set./dez. 2012.

COELHO, G. C. Restauração florestal em pequenas propriedades: desafios e oportunidades. In:

HÜLLER, A. (org.). Gestão Ambiental nos Municípios: Instrumentos e Experiências na Administração Pública, Fury, Santo Ângelo, p. 195-215, 2010.

COELHO, J. S. et al. Morfofisiologia e valor nutritivo do capim-braquiária em sistema silvipastoril com diferentes arranjos espaciais. Ciências Agrárias, Londrina, v. 35, n. 3, p. 1487-1500, mai./jun., 2014.

CORDEIRO, Y. E. M. et al. Recuperação de áreas degradadas no estado do Pará: um estudo sobre três espécies florestais nativas da Amazônia. IV CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL. 2013, Salvador – BA. Anais eletrônicos. Recife: IBEAS, 2013. Disponível em: http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2013/VI-063.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

DALTRO, R. F.; SILVA, N. M.; VECCHIATO, A. B. Técnicas de Nucleação como Estratégia de Recuperação e Valoração Ambiental de Áreas Degradadas Situadas no Alto Rio São Lourenço, Campo Verde, MT, Revista Brasileira Multidisciplinar, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 68-79, 2013.

DARONCO, C.; MELO, A. C. G.; DURIGAN, G. Ecossistema em restauração versus ecossistema de referência: estudo de caso da comunidade vegetal de mata ciliar em região de Cerrado, Assis, SP, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 485-498, 2013.

DEUS JUNIOR, J. C.; VIEGAS, L. B.; TONELLO, K. C. Proposta de recuperação florestal de uma área de pastagem no município de Agudos-SP com vista à apicultura. In: SEMINÁRIO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO PARAÍBA DO SUL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS SERVIÇOS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE, 2., 2009, Taubaté. Anais. Taubaté: IPABHi, 2009, p. 517-523. Disponível em: http://www.ipabhi.org/serhidro/anais/anais2009/doc/@sumario.htm. Acesso em: 28 jan. 2019.

DIAS FILHO, M. B. Produção de Bovinos a Pasto na Fronteira Agrícola. Belém: Embrapa, 2010.

DIAS FILHO, M. B. Sistemas integrados na recuperação de pastagens degradadas na Amazônia. In: IEKA, F. S.; INOUE; M. H. (Org.). Manejo Sustentável de plantas daninhas em sistema de produção integral. Brasília, DF: Embrapa, p. 117, 2015. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1040521/manejo-sustentavel-de-plantas-daninhas-em-sistemas-de-producao-tropical. Acesso em: 29 jan. 2019

DIAS, C. R.; UMETSU, F.; BREIER, T. B. Contribuição dos poleiros artificiais na dipersão de sementes e sua aplicação na restauração florestal. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 501-507, abr./jun., 2014.

DICK, G.; SCHUMACHER, M. V.; MOMOLLI, D. R. Estratégias para restauração de áreas de preservação permanente no bioma pampa. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DO PAMPA, 1., SEMINÁRIO DA SUSTENTABILIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA, 3., 2016, Santa Maria, RS. Anais. Pelotas: UFSM, 2016. Disponível em: https://www.dropbox.com/sh/bnmitefyp2n0xcq/AABKS6HVmnB8jLYxgDql6CFea?dl=0. Acesso em: 18 abr. 2019.

DORTZBACH, D. et al. Estoque de C e abundância natural de 13C em razão da conversão de áreas de floresta e pastagem em bioma Mata Atlântica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 39, n. 6, 2015.

DUARTE, T. E. P. et al. O papel da cobertura vegetal nos ambientes urbanos e sua influência na qualidade de vida nas cidades. Desenvolvimento em questão, Ijuí, v. 40, p. 175-203, jan./mar., 2017.

FERREIRA, E. M. et al. Recuperação de áreas degradadas, adubação verde e qualidade da água. Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, RS, v. 15, n. 1, p. 228-246, jan/abr. 2016.

FERREIRA, M. J.; CARVALHO, G. J. F.; FERRAZ, J. B. S. Crescimento e eficiência do uso da água de plantas jovens de castanheira-da-amazônia em área degradada e submetidas à adubação. Ciência Florestal, Santa Maria, RS, v. 22, n. 2, p. 393-401, 2012.

FERREIRA, P. I. et al. Espécies potenciais para recuperação de Áreas de Preservação Permanente no Planalto Catarinense. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 173-182, 2013.

FRAGOSO, R. O. et al. Barreiras ao estabelecimento da regeneração natural em áreas de pastagens abandonadas. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1451-1464, out./dez., 2017.

FREITAS, G. A. et al. Influência do sombreamento na qualidade de mudas de Sclerolobium paniculatum Vogel para recuperação de área degradada. Journal of Biotechnology and Biodiversity, Tocantins, v. 3, n. 3, p. 5-12, 2012.

FRAGOSO, R. de O. et al. Indução da regeneração natural por práticas de nucleação: resultados até 12 meses. In: SIMPÓSIO DE RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA, 6., 2015, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto de Botânica, 2015. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1035611/1/2015CarpanezziInducaoRegeneracao.pdf. Acesso em: 29 jan. 2019.

GUIMARÃES, L. A. O. P. et al. Espécies arbóreas potenciais para a revegetação de rejeito salino contaminado com arsênio. Ciência Florestal, Santa Maria, RS, v. 27, n. 3, jul./set. 2017.

IBAMA. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Instrução Normativa nº 04, de 13 de abril de 2011. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 14 abr. 2011.

JORGE, M. C. O.; GUERRA, A. J. T. Erosão dos solos e movimentos de massa – recuperação de áreas degradadas com técnicas de bioengenharia e prevenção de acidentes. In: GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. C. O. (org.). Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. São Paulo: Oficina de textos, 2013.

JUNIO, G. R. Z. et al. Crescimento de Cedro e de Leguminosas Arbóreas em Área Degradada, adubado com Pó-de-Rocha. Revista Caatinga, Mossoró, RN, v. 25, n. 2, p. 159-165, 2012.

KLIPPEL, V. H. et al. Avaliação de métodos de restauração florestal de mata de tabuleiros – ES. Revista Árvore, Viçosa, v. 39, n. 1, p. 69-79, 2015.

LACERDA, D. M. A.; FIGUEIREDO, P. S. Restauração de matas ciliares do rio Mearim no município de Barra do Corda - MA: seleção de espécies e comparação de metodologias de reflorestamento. Acta Amazonica, Manaus, v. 39, n. 2, p. 295-304, 2009.

LEAL FILHO, N.; SANTOS, G. R. S.; FERREIRA, R. L. Comparando técnicas de nucleação utilizadas na restauração de áreas degradadas na Amazônia brasileira. Revista Árvore, Pouso alegre, v. 37, n. 4, p.587-597, 2013.

LIMA, K. D. R. et al. Seleção de espécies arbóreas para revegetação de áreas degradadas por mineração de piçarra na caatinga. Revista Caatinga, Mossoró, v. 28, n. 1, p. 203-213, 2015.

LIMA, S. J. S. Avaliação da recuperação de área degradada por meio de poleiros artificiais e plantio consorciado de mudas nativas do Cerrado. 2017. Trabalho de conclusão de curso (Engenheiro Florestal) – Universidade Federal de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: http://bdm.unb.br/handle/10483/18207. Acesso em: 31 jan. 2019.

LONGO, R. M.; RIBEIRO, A. Í.; MELO, W. J. Uso da adubação verde na recuperação de solos degradados por mineração na floresta amazônica. Bragantia, Campinas, p. 139-146, 2011. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/28225. Acesso em: 29 de jan. 2019.

MARCUZZO, S. B. et al. Comparação da eficácia de técnicas de nucleação para restauração de área degradada no sul do Brasil. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 1, p. 39-48, 2013.

MARTELLI, A. et al. Reconstituição da mata ciliar de uma área nas margens do ribeirão da penha município de Itapira – SP e minimização da ação antrópica local. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, Espírito Santo do Pinhal, v. 10, n. 2, 2013.

MASCARENHAS, M. H. T. et al. Flora infestante em pastagem degradada sob recuperação, pelo sistema de integração lavoura-pecuária, em região de cerrado. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v. 8, n. 1, 2010.

MATEUS, F. A. et al. Estoque e capacidade de retenção hídrica da serrapilheira acumulada na restauração florestal de áreas perturbadas na Mata Atlântica. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 336-343, 2013.

MELO, E. T.; SALES, M. C. L.; OLIVEIRA, J. G. B. Aplicação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) para análise da degradação ambiental da microbacia hidrográfica do Riacho dos Cavalos, Crateús-CE. Revista Raega, Curitiba, v. 23, p. 520-533, set./dez. 2011.

MICCOLIS, A. et al. Restauração ecológica com sistemas agroflorestais: como conciliar conservação com produção: opções para Cerrado e Caatinga. Embrapa Cerrados: Livro técnico (INFOTECA-E), Brasília, p. 266, 2016. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1069767. Acesso em: 10 jan. 2019.

MICROSOFT CORP. Microsoft Office Excel, versão 2016, Estados Unidos. Programa. Gerenciador de planilhas eletrônicas: Microsoft Corporation, 2016.

NASCIMENTO, S.S.; LIMA, E. R. V.; LIMA, P. P. S. Uso do NDVI na análise temporal da degradação da Caatinga na Sub-bacia do Alto Paraíba. Revista Okara, João Pessoa, v. 8, n. 1, p. 72-93, jan./jul. 2014.

NEARY, D. G.; ICE, G. G.; JACKSON, C. R. Linkages between forest soils and water quality

and quantity. Revista Forest Ecology and Management, v. 258, n. 10, p. 2269-2281, mai. 2009.

NERI, A. V. et al. Espécies de cerrado com potencial para recuperação de áreas degradadas por mineração de ouro, Paracatu-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 35, n. 4, p. 907-918, jul./ago. 2011.

NEVES, A. L. A. et al. Plantio e uso da palma forrageira na alimentação de bovinos leiteiros no semiárido brasileiro. Juiz de Fora: EMBRAPA, 2010.

NOGUEIRA, N. O. et al. Utilização de leguminosas para a recuperação de áreas degradadas. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 8, n. 14, p. 2121-2131, jan./jul. 2012.

NOGUEIRA, W. L. P.; FERREIRA, M. J.; MARTINS, N. O. A. Estabelecimento inicial de espécies florestais em plantio para a recuperação de área alterada no Amazonas. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, Manaus, v. 58, n. 4, p. 365-371, 2015.

PARRON, L. M. et al. Serviços ambientais em sistemas agrícolas e florestais do Bioma Mata Atlântica. Embrapa Florestas: Brasília, DF, p. 374, 2015. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1024082. Acesso em: 29 jan. 2019.

PEREIRA, J. S.; RODRIGUES, S. C. Crescimento de espécies arbóreas utilizadas na recuperação de área degradada. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 13, n. 41, p. 102-110, mar., 2012.

RECH, C. C. C. et al. Avaliação da Restauração Florestal de uma APP Degradada em Santa Catarina. Revista Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, n. 2, p. 194-203, abr./jun. 2015.

REGO, N. H.; URBANETZ, C. Potencial do uso da semeadura direta para a recomposição florestal no Pantanal da Nhecolândia, MS. Embrapa Pantanal: Circular Técnica 117 (INFOTECA-E), Corumbá, MS, p. 5, 2017. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1085345. Acesso em: 08 fev. 2017.

RESENDE, A. S.; CHAER, G. M. Manual para recuperação de áreas degradadas por extração de piçarra na Caatinga. Embrapa Agrobiologia: Livro técnico (INFOTECA-E), Seropédica, RJ, p. 75, 2010. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/874047. Acesso em: 28 jan. 2019.

REZENDE, G. M. Restauração florestal no sul da Amazônia: métodos para romper barreiras à regeneração natural. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21761. Acesso em: 29 jan. 2019.

RIBEIRO, P. R. C. C. et al. Métodos de recuperação de mata ciliar como proposta de recuperação de nascentes no Cerrado. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 8, n.15, p. 1866-1882, ago./dez. 2012.

ROVEDDER, A. P. M. et al. Espaçamento entre linhas e densidade de semeadura em revegetação com espécie de tremoço visando à recuperação de solo degradado. Ciência Rural, Santa Maria, RS, v. 40, n. 9, 2010.

SALOMÃO, R. P.; SANTANA, A. C.; BRIENZA JÚNIOR, S. Seleção de espécies da floresta ombrófila densa e indicação da densidade de plantio na restauração florestal de áreas degradadas na Amazônia. Ciência Florestal, v. 23, n. 1, p. 139-151, 2013.

SAMPAIO, M. T. F.; POLO, M.; BARBOSA, W. Estudo do crescimento de espécies de árvores semidecíduas em uma área ciliar revegetada. Revista Árvore, Pouso Alegre, MG, v. 36, n. 5, p. 879-885, 2012.

SANTOS, A. T. N. et al. Recuperação de Áreas da Caatinga Degradadas Pela Exploração Para Agricultura no Ce. In: REUNIÃO NORDESTINA DE CIÊNCIA DO SOLO, 2., 2016, Aracaju, SE. Anais. Aracaju: Sociedade Brasileira de Ciência do solo – SBCS. 2016. Disponível em: https://even3.azureedge.net/anais/45118.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

SANTOS, P. L. et al. Estabelecimento de espécies florestais nativas por meio de semeadura direta para recuperação de áreas degradadas. Revista Árvore, Goiânia, v. 36, n. 2, p. 237-245, mar./abr. 2012.

SANTOS, S. A. et al. Recuperação de Pastagem Degradada em Áreas Úmidas do Pantanal: Manejo Integrado para Indução do Banco de Sementes e/ou Revegetação com Espécies Forrageiras Nativas. Cadernos de Agroecologia, Recife, v. 13, n. 1, 2018.

SCABORA, M. H.; MALTONI, K. L.; CASSIOLATO, A. M. R. Associação micorízica em espécies arbóreas, atividade microbiana e fertilidade do solo em áreas degradadas de cerrado. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 289-301, 2011.

SCOTTI, M. S. V. et al. Mecanismos de regeneração natural em remanescente de floresta estacional decidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 459-472, jul./set., 2011.

SERATO, D. S.; RODRIGUES, S. C. Avaliação e recuperação da área degradada (voçoroca) no interior da fazenda experimental do Glória no município de Uberlândia (MG). Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 30, n.2, p. 29-42, jul./dez. 2010.

SILVA, L. B.; GONÇALVEZ, M. P. M.; FELICIANO, A. L. P. Potencial germinativo de Crateva tapia L. sob semeadura em diferentes solos salinos da caatinga. In: CONGRESSO INTERNCIONAL DA DIVERSIDADE DE SEMIÁRIDO, 1., 2016, Campina Grande, PB. Anais. Campina Grande: CONIDIS, 2016. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conidis/trabalhos/TRABALHO_EV064_MD4_SA3_ID1610_20102016220144.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

SILVA, P. V. S. et al. Seleção de espécies nativas para recuperação de áreas degradadas em propriedades rurais na Amazônia Oriental: uso de abordagem participativa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 7., 2009, Luziânia, GO. Anais. Luziânia: Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais, 2009. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/657708/1/04tema24.pdf. Acesso em: 29 jan. 2019.

SOARES, C. F.; MOURA, J. M.; BILIO, R. S. Proposta de recuperação de uma área degradada no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso Campus Cuiabá – Bela Vista. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 3., 2012, Goiânia, GO. Anais. Goiânia: IBEAS, 2012. Disponível em: https://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2012/VI-002.pdf. Acesso em: 07 fev. 2019.

SOUZA, M. C. S.; PIÑA-RODRIGUEZ, F. C. M. Desenvolvimento de espécies arbóreas em sistemas agroflorestais para recuperação de áreas degradadas na Floresta Ombrófila Densa, Paraty, RJ. Revista Árvore, Goiânia, v. 37, n. 1, p. 89-98, jan./fev. 2013.

SOUZA, W. P. Unidade demonstrativa de restauração ecológica introduzida em agroecossistema degradado, no alto Rio São Lourenço, Campo Verde – MT. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal do Mato Grosso, Rondonópolis, MT, 2012. Disponível em: http://www.ufmt.br/pgeagri/arquivos/d1f175483738f42f5c056034d50a7f6c.pdf. Acesso em: 07 fev. 2019.

STEENBOCK, W. et al. Agrofloresta, ecologia e sociedade. Curitiba: Kairós, 2013. p. 422. Disponível em: http://agris.fao.org/agris-search/search.do?recordID=XF2015000294. Acesso em: 14 jan. 2019.

TOMAZI, A. L.; ZIMMERMANN, C. E.; LAPS, R. R. Poleiros artificiais como modelo de nucleação para restauração de ambientes ciliares: caracterização da chuva de sementes e regeneração natural. Revista Biotemas, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 125-135, set., 2010.

VAHL, D. R. et al. Levantamento florístico de Leguminosae no butiazal da Fazenda São Miguel, Tapes, RS. In: Embrapa Clima Temperado-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 27.; ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO UFPEL, 20.; SEMANA INTEGRADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 4., 2018, Pelotas. Anais. Pelotas: UFPel, 2018. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1100811/1/GustavoHeidenCB02841.pdf. Acesso em: 17 fev. 2019.

VASQUEZ, B. A. F.; MACHADO, M. R. F. Recuperação de Mata Ciliar em dois trechos do rio Jacuí/RA, Brasil. Revista de Estudos Ambientais, Blumenau, v. 14, n. 2, p. 84-95, 2012.

VALLEJO, R.; MOREIRA, F. Conceitos de restauro ecológico e planeamento da gestão florestal pós-incêndio. In: MOREIRA, F. et al. (Org.). Ecologia do Fogo e Gestão de Áreas Ardidas. Portugal: Isapress, 2010.

VENTUROLI, F et al. Incremento de espécies arbóreas em plantio de recuperação de área degradada em solo de cerrado no Distrito Federal. Bioscience jornal, Uberlândia, v. 29, n. 1, p. 143-151, jan./feb. 2013.

VENTUROLI, F.; VENTUROLI, S. Recuperação florestal em uma área degradada pela exploração de areia no Distrito Federal. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 5, n. 1, p. 183-195, 2011.

VILLA, E. B. et al. Aporte de Serapilheira e Nutrientes em Área de Restauração Florestal com Diferentes Espaçamentos de Plantio. Revista Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 23, n. 1, p. 90-99, fev., 2016.

Published

2020-02-18

How to Cite

Rodrigues, A. B. M., Giuliatti, N. M., & Júnior, A. P. (2020). Aplicação de metodologias de recuperação de áreas degradadas nos biomas brasileiros/ Application of methodologies for degraded areas recovering in the Brazilian Biomes. Brazilian Applied Science Review, 4(1), 333–369. https://doi.org/10.34115/basrv4n1-021

Issue

Section

Original articles