A teoria econômica do crime: importância da atividade de inteligência de segurança pública para inverter a balança decisória do crime

Authors

  • Rangel Calixto Peijo
  • Willian Strugala

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv8n1-004

Keywords:

crime, Polícia Militar, balança decisória, tecnicidade, inteligência de segurança pública

Abstract

Tem-se, preliminarmente, que o crime é fenômeno dinâmico e mutável, que adequa-se às ações dos órgãos de segurança pública, com o escopo de eximir os autores de suas devidas responsabilidades. Historicamente, a Policia Militar do Estado do Paraná tem-se mostrado aguerrida e combativa frente às inúmeras modalidades criminosas que surgem, entretanto,  faz-se necessário uma adaptação para que as prisões e apreensões (notadamente as realizadas em estado de flagrância) sejam efetivas e, se for o caso, permitam a responsabilização dos autores. Cediço que o indivíduo que cogita adentrar ao mundo criminoso, em algum momento, ainda que inconscientemente, analisa os prós e contras de sua ação. Tem-se, pela mundividência dos autores deste trabalho, somado à obras cientificas analisadas, que neste sopesamento “custo x beneficio”, via de regra o indivíduo se convence que o crime irá compensar, pois os benefícios de sua ação (lucro, status, ocultação de bens etc) têm mais peso, na balança decisória, que os possíveis prejuízos de sua atitude (ser apanhado em flagrante e condenado). No transcorrer desta obra, evidenciar-se-á imperioso compreender a necessidade de inverter a balança decisória daquele que cogita adentrar ao mundo delituoso, de maneira que os prejuízos tenham mais peso que os benefícios oriundos de determinado crime, acarretando, a médio longo prazo, na diminuição dos indicativos criminais. Para tal intento faz-se mister que a Polícia Militar aja com maior tecnicidade e profissionalismo em suas ações, de maneira a viabilizar uma instrução processual mais justa às partes, permitindo, se for o caso, uma efetiva responsabilização aos autores de crimes apanhados em flagrante delito. Este avanço dar-se-á por meio de  instruções e palestras direcionadas (já aplicadas pela Instituição), e também por meio de ações de inteligência de segurança pública, hábeis a angariar indicativos robustos e legítimos de determinada ação delituosa, para a devida instrução processual. Esta atividade de inteligência não confunde-se com inteligência estratégica, bem delineada por Andre Soares (Soares, 2022). Necessário consignar que tais ações de inteligência não confundem-se com investigação, mas sim em simples tentativa legal de restabelecimento da ordem pública, cumprindo a missão constitucional imposta à Polícia Militar. Convictos acerca da imprescindibilidade de “prender bem”, os autores debruçaram-se sobre os temas existentes acerca da teoria Econômica do Crime, com o escopo de propor solução efetiva para resultados a médio longo prazo.

References

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. (1988) URL <http://www.planalto.gov.br/> Acesso em: 29 dez. 2023.

_______. Código de Processo Penal. Decreto lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/Decreto-Lei/Del3689.htm. Acesso em 29 dez 2023.

________.Codigo Penal Brasileiro. Decreto lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Disponivel em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em 29 dez 2023

________. Lei nº 12.850, de 02 de agosto de 2013. Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12850. Acesso em 23 dez. 2023.

BATLONI, Marcelo. Crime Organizado: Aspectos Gerais e Mecanismos Legais. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Tradução de J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1996, p. 27.

BECKER, Gary S. Crime and Punishment: An Economic Approach (sem tradução para o português). Journal of Political Economy Vol. 76, No. 2

CAMPOS, Lidyane Mendes; SANTOS, Nivaldo dos. O Crime Organizado e as Prisões no Brasil. (2009). Disponível: Site Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito. URL < https://www2.mppa.mp.br/sistemas/gcsubsites/upload/60/O%20Crime%20Organizado%20e%20as%20pris%C3%83%C2%B5es%20no%20Brasil(1).pdf > Acesso em: 26 dez 2023.

CARROLL. Lewis. Alice no país das maravilhas. São Paulo :Ed. Martim Claret, 2009.

CERQUEIRA, Daniel; LOBÃO, Waldir. Determinantes da criminalidade: arcabouços teóricos e resultados empíricos. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 47, n.2, 2004, p. 233-269, p. 247

CONTI, Thomas Victor; JUSTUS, Marcelo. A história do pensamento econômico sobre crime e punição de Adam Smith e Gary Becker: Parte I. São Paulo: Instituto de Economia UNICAMP. 2016.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Margens da política, fronteiras da violência: uma ação coletiva das periferias de São Paulo. Lua Nova, No. 79, 2010b, pp. 201-233

FELTRAN, Gabriel de Santis. The management of violence on the periphery of São Paulo: A normative apparatus repertoire in the “PCC era”. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology, v.7, n. 2, 2010a

FELTRAN, Gabriel de Santis. Irmãos: Uma história do PCC. São Paulo: Companhia das Letras. 2018.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2023. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2023/07/anuario-2023.pdf. Acesso em: - 5 de janeiro de 2024.

FRANCO, Alberto Silva. Globalização e Criminalidade dos Poderosos, in Temas de Direito Penal Econômico. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2000.

HOBBES, T. Leviatã. Tradução: João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MACHADO, C. R. (2021). As ações de inteligência financeira menos complexas nas Operações Integradas de Inteligência / The less complex financial intelligence actions in Integrated Intelligence Operations. Brazilian Journal of Development, 7(9), 91193–91209. https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-330

MIJAN, Pedro Henrique Cevallos. Economia do Crime: as contribuições de Gary Becker, seu desenvolvimento e aplicações atuais. Orientador: Professor Dr. Carlos Alberto Ramos.2017. 37 f. TCC (graduação) - Curso de Economia, Universidade de Brasília - UNB, Brasília.

MOTTA, Roberto. A Construção da maldade: como ocorreu a destruição da segurança pública brasileira. São Paulo: Faro Editorial. 2022.

NUCCI, Guilherme de Souza, Manual de processo penal – 4. ed., – Rio de Janeiro: Forense, 2023.

PARANÁ, Constituição do Estado do Paraná. (1989). Disponível em https://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/exibirAto.do?action=iniciarProcesso&codAto=9779&codItemAto=97592 Acesso em 29 dez 2023.

PEIJO, Rangel Calixto. A Polícia Militar do Paraná inserida no combate ao crime organizado: ênfase quanto à adequação dos militares estaduais que atuam junto ao GAECO. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais). Academia Policial Militar do Guatupê.2018.

ROLIM, Marcos. A síndrome da rainha vermelha: policiamento e segurança pública no Século XXI. 2º ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed: Oxford, Inglaterra: University of Oxford, Centre for Brazilian Studies, 2009.

SANTOS, Juarez Cirino dos. Crime Organizado. (2004) Disponível: Site do Instituto de Criminologia e Política Criminal. <http://www.cirino.com.br>. Acesso em 01 set. 2018.

SCHECAIRA, Sergio Salomão. Criminologia. São Paulo: Revista dos tribunais, 2012. Bandeira, Thais. Criminologia / Thais Bandeira, Daniela Portugal. - Salvador: UFBA, Faculdade de Direito, Superintendência de Educação a Distância, 2017. ISBN: 978-85-8292-125-8 1. Criminologia. I Portugal, Daniela. II. Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Direito. Superintendência de Educação a Distância. III. Título.

SOARES, A. H. (2022). Inteligência estratégica na polícia militar do Paraná: das noções institucionais ao desenvolvimento de cenários futuristas / Strategic intelligence in the military police of Paraná: from institutional perspectives to the development of futuristic scenarios. Brazilian Journal of Development, 8(6), 45038–45060. https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-163

STF, Supremo Tribunal Federal. Agravo regimental. HC 873.039/SP. Disponível em <https://www.tjpr.jus.br/adi-stf>.Acesso em 19 dez. 2023.

STJ, Superior Tribunal de Justiça. Recurso em habeas Corpus. RHC 185.767/PB. Disponível em <https://www.tjpr.jus.br/adi-stf>.Acesso em 19 dez. 2023.

ZAFARONI, Eugenio Raúl. Manual de direito penal brasileiro. v. 1 : parte geral. 9. ed. rev. e atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

Published

2024-02-14

How to Cite

Peijo, R. C., & Strugala, W. (2024). A teoria econômica do crime: importância da atividade de inteligência de segurança pública para inverter a balança decisória do crime. Brazilian Applied Science Review, 8(1), 68–86. https://doi.org/10.34115/basrv8n1-004

Issue

Section

Original articles